Reforma diminui os alagamentos em passagem subterrânea da Lapa

Publicado em Categorias Acessibilidade, LapaTags , , , ,

Share this... Manhã de segunda-feira. Mais uma semana se inicia e, pelo túnel 12 de Outubro, pedestres cruzam apressados os trilhos do trem. O túnel situado na Lapa interliga as ruas John Harrison e Wiliam Speers, além de ser um dos acessos para a estação Lapa, na linha 7-Rubi, da CPTM (Companhia Paulista de Transporte…

Share this...
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on TumblrPin on Pinterest

Manhã de segunda-feira. Mais uma semana se inicia e, pelo túnel 12 de Outubro, pedestres cruzam apressados os trilhos do trem. O túnel situado na Lapa interliga as ruas John Harrison e Wiliam Speers, além de ser um dos acessos para a estação Lapa, na linha 7-Rubi, da CPTM (Companhia Paulista de Transporte Metropolitano). Considerado um lugar sujo, escuro, sujeito a inundações e até perigoso, o local passou por uma reforma no começo deste ano e as mudanças agradaram quem transita por ali diariamente.

Josefa Maria tem 61 anos e há uma década chega às 4h com o seu café e variados tipos de bolo para vender em uma das entradas da passagem. Para ela, a iluminação melhorou e agora está boa. Quanto às inundações, a comerciante afirma que nos últimos temporais que atingiram São Paulo, a água não invadiu o túnel. “Uma vez inundou, mas foi porque uma das bombas quebrou e aí juntou água”, lembra.

Patrícia Costa é funcionária de uma empresa de autopeças e todos os dias sai do município de Francisco Morato, na Grande São Paulo, para trabalhar na região. “A última vez que choveu, eu passei aqui e não inundou. O balanço que eu faço é positivo”, diz.

Antes das reformas era comum que nos dias de chuva os pedestres utilizassem tábuas de madeira para não passar pela água. Em nota, a subprefeitura da Lapa informou que foram instaladas novas bombas de recalque para auxiliar no sistema de drenagem e que quando há registros de alagamentos, há um atendimento especial na passagem. Além disso, “diariamente o local recebe serviço de varrição em dois turnos e a limpeza das canaletas é feita com frequência”.

Outra mudança elogiada por alguns pedestres foi a menor quantidade de vendedores ambulantes, que ocupavam o interior do túnel e dificultavam a circulação. Segundo o fiscal da subprefeitura, Thiago da Silva, o órgão tem feito a fiscalização todos os dias e, com a ajuda da GCM (Guarda Civil Metropolitana), mercadorias têm sido apreendidas. “Tem coisas que eu não concordo porque os vendedores são trabalhadores. O que deveria ser feito era pensar em uma maneira melhor de tirá-los daqui. Por outro lado, o fato do corredor estar livre é muito bom”, salienta Pedro Quirino.

Perto dali, outro túnel reformado recentemente é o Toca da Onça, que tem pouco mais de 1,80 metros de altura e dá acesso ao Mercado da Lapa. O 32xSP também esteve no local e verificou que, ao contrário do 12 de Outubro, os pedestres caminhavam no escuro. Essa foi uma queixa geral de quem passava pelo local. Segundo a subprefeitura, a manutenção é realizada uma vez por semana ou de acordo com a necessidade.

Dados da última pesquisa IRBEM (Indicadores de Referência de Bem-Estar no Município), referentes ao ano de 2015, apontam que 59 % da população de São Paulo está insatisfeita com a iluminação pública da cidade e deu notas de 1 a 5. Esse índice é melhor do que os de 2014 e 2013, mas pior que o de 2009, quando 53% atribuíram notas nesse intervalo.

Acessibilidade para portadores de deficiências

As reformas realizadas no início de 2016 não contemplaram as pessoas portadoras de deficiências, alvo de reclamações dos pedestres. Nos dois túneis, tanto o acesso pela rua John Harrison quanto pela Wiliam Speers são feitos por escadas com mais de um lance.

Proporcionar o acesso universal a espaços públicos seguros, inclusivos, acessíveis e verdes, particularmente para as mulheres e crianças, pessoas idosas e pessoas com deficiência é uma das metas da Agenda 2030, que tem o objetivo de acabar com a pobreza e promover universalmente a prosperidade econômica, o desenvolvimento social e a proteção ambiental até a terceira década do século 21.

A subprefeitura da Lapa informou que “está em estudo um projeto para implantação de futuras melhorias no que se refere à acessibilidade”.