Serviços de comunicação são precários em Marsilac, extremo sul da cidade

Categorias Comunicação, ParelheirosTags , ,

Nem todas as operadoras de celular funcionam na região.

A aproximadamente 60 km de distância do marco zero de São Paulo, localizado na Praça da Sé, o distrito de Marsilac, extremo sul da cidade, padece por problemas no sistema de comunicação. Nem todas as operadoras de celular funcionam na região e o correio não entrega correspondência em algumas ruas por falta de CEP. Além disso, quem não tem internet em casa conta apenas com uma praça conectada ao WIFI Livre SP, a Praça Jacob Reimberg Filho, e uma lan house, ambas no bairro Emburá.

De acordo com a estudante Mayara Naldes, 18, também é possível acessar a internet em uma escola estadual no Emburá. O acesso é permitido somente a estudantes e fora do horário de aula. Mayara não depende muito do colégio, pois possui conexão em casa. Todavia, acredita que as salas de computação deveriam existir em outras escolas de Marsilac para facilitar os estudos. “Mais pra dentro nem celular funciona”, comenta sobre outros bairros e pontos mais isolados de Marsilac.

A região também não possui telecentros. Segundo dados de 2015 do Observatório do Cidadão, a subprefeitura de Parelheiros, da qual Marsilac faz parte, possui apenas dois telecentros. Eles funcionam no distrito de Parelheiros e ficam distantes do vizinho. Em 2012, Parelheiros abrigou sete estabelecimentos. A Secretaria Municipal de Serviços informou que o Programa Municipal de Inclusão Digital tem o objetivo de levar conectividade a vários lugares da cidade, mas esbarra em limitações para a contratação de infraestrutura e serviços de telecomunicações, caso de Marsilac.

Telecentro do Grajaú apresenta aspectos de abandono
Espaço de telecentro, fechado há alguns anos, não foi ocupado por outra atividade     Foto: Priscila Pacheco

Quando o tema é telecentro, quem lidera o ranking de maior número de espaços por cada 10 mil habitantes são as subprefeituras M’Boi Mirim, zona sul, e Guaianases, zona leste. O Observatório do Cidadão indica que em 2015 a sulista possuía 18 telecentros, enquanto Guaianases, oito. O auge das duas foi em 2012, quando contavam com 26 e 13, respectivamente.

A Secretaria Municipal de Serviços afirma que a demanda pelos telecentros começou a diminuir conforme a população foi tendo mais acesso a celulares e a computadores próprios. Assim, as unidades começaram a ser fechadas. Em contrapartida, a partir de 2014, a prefeitura começou a inaugurar pontos de internet sem fio gratuita. Até o dia 17 de novembro de 2016, havia 153 telecentros em atividade e 120 praças com wifi.

A estudante de engenharia Thaís Trindade, 23, é uma das pessoas que afirma ter abandonado os telecentros com a chegada da internet em casa. “A condição melhorou e eu consegui ter internet em casa”, afirma. Moradora de Guaianases, distrito com mesmo nome que a subprefeitura, Trindade frequentou o telecentro por três ou quatro anos. Chegava a ir pelo menos três vezes por semana e parou entre os anos 2008 e 2009. Atualmente, Thais não conhece ninguém que ainda frequente telecentros, mas sabe que ainda existe algum na região. “Ficou mais fácil o acesso à internet. O pessoal tem em casa. Quem não tem, sempre tem um celular”, finaliza.

Foto principal: Flickr