Conhecida mundialmente, Itaquera enfrenta problemas na área da saúde

Categorias ItaqueraTags

Em Itaquera, na zona leste de SP, aumentaram os casos de mortes por causas indefinidas, por problemas no aparelho respiratório e circulatório, e também de câncer

Cristiane Alves, 20, nasceu no bairro de Itaquera, no extremo leste da capital, e vive na Gleba do Pêssego, considerado um dos locais mais vulneráveis da região. O fácil acesso a estabelecimentos comerciais e a áreas de lazer, como o Parque do Carmo e o Sesc Itaquera, são alguns dos pontos positivos de se viver na região, segundo a assistente de projetos.

Sobre as possíveis diferenças em relação às regiões vizinhas, Cristiane defende a facilidade de acesso gerada pelo metrô.  Embora haja o fácil acesso, o transporte público está ainda muito distante de ser considerado o ideal. “Só circulam três linhas de ônibus na minha região. Cada um demora uma hora. Sair para outro lugar é complicado”, afirma.

Explorando Itaquera a partir dos dados do Observatório Cidadão, é possível perceber que a região possui um dos menores índices de população em situação de rua, em relação ao total de habitantes de cada prefeitura regional. Em 2015, foram apenas 36. Diferentemente da Sé, a líder no assunto, com 3.863.

O atendimento em creches também apresenta bons números. Mais de 15 mil crianças foram matriculadas no ano passado, ante 14 mil do ano anterior, e apenas 4 mil em 2007.

Internações de mulheres de 20 a 60 anos em decorrências de possíveis agressões caiu de 70, em 2014, para 29, no ano seguinte. Uma das regiões com o menor número de registros.

Já no quesito saúde, embora tenha mantido a quantidade de Unidades Básicas de Saúde em 23, não há nada o que comemorar em relação a outros indicadores. Aumentaram, por exemplo, os casos de mortes por causas indefinidas, por problemas no aparelho respiratório e circulatório, e também de câncer. Além disso, caiu de 62,22 para 61,67 a expectativa de vida para os itaquerenses.

Teto de vidro

Para Cristiane, a prefeitura regional local parece atuar de forma “invisível”. “Meus pais não sabem nem onde ela fica. Não conseguimos ver atuação, só quando é algo mais burocrático. Todo  crédito é dado à Prefeitura”, comenta.

Ainda segundo a jovem, é preciso visibilidade para que a população local se aproprie dos espaços de lazer que existem no território. “A prefeitura regional não explora isso. Temos o Parque Linear, que é bonito, fica perto do metrô Itaquera, mas ninguém conhece. O Parque do Carmo só ficou mais conhecido depois de um show da Pitty, na Virada Cultural. Poderia ser muito mais aproveitado”, sugere.

Um olho no passado

Seguir em direção à história de Itaquera é se deparar com uma informação já, no mínimo, curiosa: não se sabe ao certo quando a região foi fundada. A primeira referência ao local, apontam historiadores, surgiu lá pelos idos de 1686, em uma Carta de Sesmaria — lei de mesmo nome que ajudava no avanço da agricultura de terras abandonadas. Certeza ou não, o mesmo não pode ser dito sobre a origem do nome Itaquera: do tupi, “pedra dura”.

O bairro começou a receber seus primeiros habitantes em 1820, em um rancho chamado “Casa Pintada”, considerado o ponto de parada de viajantes. Só 50 anos depois mais gente passou a ocupar aquelas terras, especialmente com a inauguração da estação de trem. É por conta dessa ferrovia que os moradores passaram a celebrar o aniversário da região no mesmo dia de funcionamento da estação, em 6 de novembro de 1875.

Com 141 anos de vida, tanta história trouxe também muita gente para o território itaquerense. Atualmente, é a região mais populosa da zona leste, com 534 mil moradores, e a segunda da capital paulista, atrás apenas do Campo Limpo, com mais de 600 mil.

Em uma comparação básica, Itaquera tem população superior a São José dos Campos, no interior de SP, com 372 mil moradores; também é dez vezes maior que a cidade paulista de Andradina, que possui pouco mais de 55 mil habitantes.

Não à toa, o distrito homônimo é o mais habitado dos quatro que formam Itaquera. Mais de 204 mil habitantes vivem em um dos 28 bairros existentes por lá. Cidade Líder segue na lista, com 126 mil e 15 bairros, enquanto José Bonifácio garante 124 mil e 19 bairros, e, por fim, Parque do Carmo, 68 mil pessoas e 13 bairros.

Em 2010, Itaquera ganhou fama mundial com a construção da Arena Corinthians. Erguido em torno da Estação Corinthians-Itaquera do metrô e da CPTM, o popular Itaquerão foi cenário para várias partidas do Copa do Mundo de 2014.

A construção, no entanto, é contestável. “Muitas pessoas acham que a Copa do Mundo trouxe nobreza. Uma mentira. Ela trouxe prejuízo, mais trânsito, mais lugares alagados, ocupações pegando fogo. O bairro ficou mais vulnerável”, lamenta Cristiane.

Cidade Líder também sabe o que é ter fama internacional.  É o distrito onde está o maior shopping center da América Latina, o Centro Comercial Leste Aricanduva. É preciso explicar, porém, que, embora receba o nome de outro distrito, também na zona leste, o Aricanduva, pertence à Cidade Líder.

Outra confusão também acontece com José Bonifácio, mais conhecido como “Cohab”. Há quem garanta que ele esteja localizado em Itaquera. O distrito é marcado pela imensa quantidade de prédios populares, os conjuntos habitacionais.

Também batizado com o nome do segundo maior parque da Grande São Paulo, o distrito do Parque do Carmo recebe visitantes que desfrutam não apenas do verde da área, como também do Sesc Itaquera. Outra confusão.

Foto: Pedro Mendonça/ Flickr