Ciclovia de avenida poderá ser retirada, diz prefeito regional da Cidade Tiradentes

Publicado em Categorias Cidade Tiradentes, Mobilidade, PerfilTags , ,

Morador do maior Conjunto Habitacional da América Latina desde os cinco anos de idade, aos 37, Oziel Souza é mais novo prefeito regional da Cidade Tiradentes, no extremo leste da capital paulista. Considerada uma região dormitório, ela é marcada por sérios problemas sociais, como a dificuldade de acesso à saúde, transporte público, saneamento básico e…

Morador do maior Conjunto Habitacional da América Latina desde os cinco anos de idade, aos 37, Oziel Souza é mais novo prefeito regional da Cidade Tiradentes, no extremo leste da capital paulista. Considerada uma região dormitório, ela é marcada por sérios problemas sociais, como a dificuldade de acesso à saúde, transporte público, saneamento básico e à educação.

Na área de transporte, Oziel quer avaliar melhor a ciclovia da avenida dos Metalúrgicos. Segundo ele, há a possibilidade de retirá-la da via. “Há essa possibilidade. Os comerciantes são contrários e percebo que há pouco uso efetivo de ciclistas, além de atrapalhar o trânsito”, afirma.

De acordo com o portal SP de Bike, a ciclovia tem 2 km de extensão na avenida dos Metalúrgicos, entre os trechos da rua Dona Elóa do Valle Quadros e dos Têxteis, e da rua dona Eloá do Valle Quadros e Padre Aldemar Moreira.

Ainda sobre o transporte, Souza também admite a dificuldade de acesso à região, sendo o ônibus a única opção aos moradores. Em 1996 foi construído o Terminal Cidade Tiradentes. Vinte anos depois, a promessa de um monotrilho até a região ainda não saiu do papel. Pelo contrário, as obras da linha 15-Prata, que interligaria a Vila Prudente à Cidade Tiradentes foram suspensas. A linha está sob a responsabilidade do Metrô. Hoje, ela conta apenas com um trem que circula em um trecho de 3 km, entre as estações Oratório e Vila Prudente. “Atualmente, a estação [de metrô] mais próxima é a de Itaquera. Ainda contamos com muitas ‘lotações’, que demoram até uma hora para chegar ao trem”, comenta Souza. “Precisamos ter mais ônibus biarticulados para diminuir o tempo e dar mais conforto à população”.

Antes de Souza, na gestão petista, a Cidade Tiradentes, onde vivem cerca de 220 mil pessoas esteve sob o comando de José Guilherme de Andrade, que foi chefe de gabinete e subprefeito interino na unidade.  Com menos ofertas de emprego em toda a capital paulista, segundo dados do Observatório Cidadão, o local batizado com nome do inconfidente mineiro, Joaquim José da Silva Xavier, o “Tiradentes”, sofre os reflexos do mal planejamento.

Cidade Tiradentes/ Crédito: Foto: André Bueno

Um lar próprio

A história de Souza, filho de pais pernambucanos, não se difere das milhares de famílias nordestinas e de outros cantos da capital paulista, que viram no complexo habitacional a oportunidade da casa própria. “Eu e minha família morávamos em Santo Amaro, na zona sul de São Paulo, quando eles decidiram se mudar para a Cidade Tiradentes. Chegamos em cima de um caminhão aberto”, conta Souza. “Era o movimento da casa própria”.

Único graduado entre os quatro irmãos, Souza formou-se em sociologia pela Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo. Formação essa que norteou seus passos na política, que começou desde cedo. “Nossa primeira luta foi a ampliação dos orelhões”, relembra. “Naquela época, havia filas enormes e eles eram um dos poucos meios de comunicação da população”.

Antes mesmo de imaginar o posto de prefeito regional da região, Souza foi vendedor de produtos de limpeza e até técnico de um time local, o Sociedade Esportiva Independente. No caminho da política, tornou-se assessor parlamentar e presidente da secretaria municipal de juventude do PSDB.

Além disso, foi um dos criadores da Casa de Cultura Cidade Tiradentes. “Era a antiga Casa da Fazenda. Convidamos a comunidade e, em menos de um ano, já haviam passado mais de 700 pessoas por lá. Foi nela que realizamos a primeira feira de artesanato da região”, orgulha-se.

A atuação na área cultural ganhou escala e Souza foi convidado para trabalhar na organização social Catavento Cultural e Educacional, onde foi responsável pela implementação do projeto Fábricas de Cultura, na zona leste, atualmente com cinco unidades. Na coordenação das Fábricas, permaneceu por seis anos, até receber o convite para tornar-se prefeito regional. “As pessoas comentavam sobre minha possível indicação [para o posto de prefeito regional], mas só fui saber quando o [João] Doria (PSDB) me ligou um dia antes”, garante.

“Até agora, tivemos poucos dias de gestão, é um desafio muito grande. Estamos limpando os córregos, fazendo varrição, realizando zeladorias. Acordo às cinco horas e às seis já estou apostos para o trabalho”, diz. “A partir das 9h30, sempre caminho pelo bairro para ver pessoalmente o que precisa ser feito”.

Questionado sobre a autonomia prometida às prefeituras regionais na atual gestão, Souza elenca como essa independência pode acontecer. “Teremos [na prefeitura regional] desde um trâmite de ação, ou seja, mais abertura de relacionamento com outras pastas, até menos acesso direto às concessionárias”, revela.

 

Foto principal: Acervo pessoal