a
a
HomeZona LesteCidade TiradentesCiclovia de avenida poderá ser retirada, diz prefeito regional da Cidade Tiradentes

Ciclovia de avenida poderá ser retirada, diz prefeito regional da Cidade Tiradentes

Morador do maior Conjunto Habitacional da América Latina desde os cinco anos de idade, aos 37, Oziel Souza é mais novo prefeito regional da Cidade Tiradentes, no extremo leste da capital paulista. Considerada uma região dormitório, ela é marcada por sérios problemas sociais, como a dificuldade de acesso à saúde, transporte público, saneamento básico e à educação.

Na área de transporte, Oziel quer avaliar melhor a ciclovia da avenida dos Metalúrgicos. Segundo ele, há a possibilidade de retirá-la da via. “Há essa possibilidade. Os comerciantes são contrários e percebo que há pouco uso efetivo de ciclistas, além de atrapalhar o trânsito”, afirma.

De acordo com o portal SP de Bike, a ciclovia tem 2 km de extensão na avenida dos Metalúrgicos, entre os trechos da rua Dona Elóa do Valle Quadros e dos Têxteis, e da rua dona Eloá do Valle Quadros e Padre Aldemar Moreira.

Ainda sobre o transporte, Souza também admite a dificuldade de acesso à região, sendo o ônibus a única opção aos moradores. Em 1996 foi construído o Terminal Cidade Tiradentes. Vinte anos depois, a promessa de um monotrilho até a região ainda não saiu do papel. Pelo contrário, as obras da linha 15-Prata, que interligaria a Vila Prudente à Cidade Tiradentes foram suspensas. A linha está sob a responsabilidade do Metrô. Hoje, ela conta apenas com um trem que circula em um trecho de 3 km, entre as estações Oratório e Vila Prudente. “Atualmente, a estação [de metrô] mais próxima é a de Itaquera. Ainda contamos com muitas ‘lotações’, que demoram até uma hora para chegar ao trem”, comenta Souza. “Precisamos ter mais ônibus biarticulados para diminuir o tempo e dar mais conforto à população”.

Antes de Souza, na gestão petista, a Cidade Tiradentes, onde vivem cerca de 220 mil pessoas esteve sob o comando de José Guilherme de Andrade, que foi chefe de gabinete e subprefeito interino na unidade.  Com menos ofertas de emprego em toda a capital paulista, segundo dados do Observatório Cidadão, o local batizado com nome do inconfidente mineiro, Joaquim José da Silva Xavier, o “Tiradentes”, sofre os reflexos do mal planejamento.

Cidade Tiradentes/ Crédito: Foto: André Bueno

Um lar próprio

A história de Souza, filho de pais pernambucanos, não se difere das milhares de famílias nordestinas e de outros cantos da capital paulista, que viram no complexo habitacional a oportunidade da casa própria. “Eu e minha família morávamos em Santo Amaro, na zona sul de São Paulo, quando eles decidiram se mudar para a Cidade Tiradentes. Chegamos em cima de um caminhão aberto”, conta Souza. “Era o movimento da casa própria”.

Único graduado entre os quatro irmãos, Souza formou-se em sociologia pela Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo. Formação essa que norteou seus passos na política, que começou desde cedo. “Nossa primeira luta foi a ampliação dos orelhões”, relembra. “Naquela época, havia filas enormes e eles eram um dos poucos meios de comunicação da população”.

Antes mesmo de imaginar o posto de prefeito regional da região, Souza foi vendedor de produtos de limpeza e até técnico de um time local, o Sociedade Esportiva Independente. No caminho da política, tornou-se assessor parlamentar e presidente da secretaria municipal de juventude do PSDB.

Além disso, foi um dos criadores da Casa de Cultura Cidade Tiradentes. “Era a antiga Casa da Fazenda. Convidamos a comunidade e, em menos de um ano, já haviam passado mais de 700 pessoas por lá. Foi nela que realizamos a primeira feira de artesanato da região”, orgulha-se.

A atuação na área cultural ganhou escala e Souza foi convidado para trabalhar na organização social Catavento Cultural e Educacional, onde foi responsável pela implementação do projeto Fábricas de Cultura, na zona leste, atualmente com cinco unidades. Na coordenação das Fábricas, permaneceu por seis anos, até receber o convite para tornar-se prefeito regional. “As pessoas comentavam sobre minha possível indicação [para o posto de prefeito regional], mas só fui saber quando o [João] Doria (PSDB) me ligou um dia antes”, garante.

“Até agora, tivemos poucos dias de gestão, é um desafio muito grande. Estamos limpando os córregos, fazendo varrição, realizando zeladorias. Acordo às cinco horas e às seis já estou apostos para o trabalho”, diz. “A partir das 9h30, sempre caminho pelo bairro para ver pessoalmente o que precisa ser feito”.

Questionado sobre a autonomia prometida às prefeituras regionais na atual gestão, Souza elenca como essa independência pode acontecer. “Teremos [na prefeitura regional] desde um trâmite de ação, ou seja, mais abertura de relacionamento com outras pastas, até menos acesso direto às concessionárias”, revela.

 

Foto principal: Acervo pessoal

Nenhum comentário

Deixe um comentário.