No extremo leste, moradores reclamam do mato alto e cobram “Cidade Linda”

Publicado em Categorias Cidade Tiradentes, Guaianases, Sapopemba, SegurançaTags

Share this... Moradores que vivem na zona leste de São Paulo reclamam de áreas com mato alto e falta de conservação de praças e calçadas. A situação incomoda motoristas e pedestres de diversos bairros, como Guaianases, Sapopemba e Cidade Tiradentes.  Em vários pontos é possível encontrar lixos espalhados e ausência de capinação. “Para ser sincera,…

Share this...
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on TumblrPin on Pinterest

Moradores que vivem na zona leste de São Paulo reclamam de áreas com mato alto e falta de conservação de praças e calçadas. A situação incomoda motoristas e pedestres de diversos bairros, como Guaianases, Sapopemba e Cidade Tiradentes.  Em vários pontos é possível encontrar lixos espalhados e ausência de capinação.

“Para ser sincera, as praças e áreas de lazer do bairro ficam muito meses com o mato “engolindo” bancos e brinquedos, até que a gente reclame ou tenha eleição”, afirma a auxiliar administrativa, Thamires Sousa, 23, moradora de Sapopemba.

Segundo o Irbem (Índice de Referência de Bem-Estar no Município), divulgado no dia 24 de janeiro, a nota média que a população de São Paulo deu ao meio ambiente foi de 3,6, em uma escala de 0 a 10. Para serviços de limpeza pública e de terrenos baldios a nota foi ainda menor, sendo 3,3. Por outro lado, a população acredita na importância dessas áreas, pois ela figurou com nota 7,7 na pesquisa.

No segundo dia de mandato, o prefeito João Dória (PSDB) lançou o programa “Cidade Linda”, com o objetivo de revitalizar áreas degradadas da cidade. O primeiro ponto a receber o programa foi a avenida Nove de Julho, na região central da capital. Dentre os benefícios que o programa busca trazer para São Paulo estão os serviços de manutenção de logradouros, conservação de galerias e pavimentos, retirada de faixas e cartazes, limpeza de monumentos, recuperação de praças e canteiros, poda de árvores, entre outras.

A iniciativa, segundo o prefeito, envolve apoio de representantes do governo, da iniciativa privada e de ONGs e alguns moradores do extremo leste enxergam descaso no tratamento da periferia por parte do poder público. “Veja o exemplo do nosso prefeito, que está fazendo as operações de limpeza apenas no centro. Garanto que ele não passou da Mooca e diz que já veio na zona leste”, complementa o estudante e morador de Guaianases, Higor Antunes, 19.

A falta de limpeza urbana atinge principalmente as mulheres, que são afetadas pela ausência de segurança que percebem na volta para casa, geralmente no período da noite. “Todo dia, quando volto da faculdade, tenho muito medo de passar pela rua atrás de casa. Dentro daqueles matos, com certeza, alguém pode se esconder e me atacar”, afirma a estudante Carina Mota, 33, de Guaianases.

“A crítica que tenho é que cuidar de São Paulo não é apenas apagar pichações ou grafites no centro da cidade, mas olhar a cidade como um todo. Isso é o que um gestor deveria fazer”, finalizou Antunes.

Em entrevista ao 32xSP, publicada na última segunda-feira (20), o vice-prefeito e secretário das Prefeituras Regionais, Bruno Covas, afirmou que o “Programa Cidade Linda” começou a se expandir para vias que não estão na região central da cidade. Na zona leste, ele deu o exemplo da avenida Matteo Bei, em São Mateus.