Frequentadores do Parque Raposo Tavares se queixam da falta de manutenção

Publicado em Categorias Butantã, Esporte, Lazer, Meio AmbienteTags

“Eles fizeram essa reforma, arrumaram umas coisas e pararam”, conta o pedreiro João Vieira, 78, sobre a revitalização do Parque Raposo Tavares, feita em janeiro desse ano. Pernambucano, ele mora há mais de 30 anos no bairro Jardim Olympia, no Butantã, zona oeste de São Paulo. O parque, que é o segundo maior da zona…

“Eles fizeram essa reforma, arrumaram umas coisas e pararam”, conta o pedreiro João Vieira, 78, sobre a revitalização do Parque Raposo Tavares, feita em janeiro desse ano. Pernambucano, ele mora há mais de 30 anos no bairro Jardim Olympia, no Butantã, zona oeste de São Paulo.

O parque, que é o segundo maior da zona oeste, com 176.315 m², conforme dados dos Parques Municipais e Unidades de Conservação Municipais fornecidos pelo Infocidade, é praticamente um quintal para João. “Eu só vivo aqui dentro, porque eu moro bem ali – aponta o pedreiro. To aqui de manhã e de tarde com o meu cachorro”, diz. Para ele, não há preservação. “Falta muita coisa: roçada, muitas plantas têm que refazer tudo porque estão secando. Tem uma parte da grama, em frente à favela, que deixaram do jeito que estava, um matagal alto (sic.)”, afirma.

O eletricista Erick Oliveira Miranda, 18, concorda e ainda tem outras reivindicações. Ele utiliza o equipamento de ginástica que colocaram na última revitalização e ressalta que não foi suficiente. “No máximo umas oito pessoas conseguem usar, porque é pouco espaço. Na parte da tarde e da noite vem bastante gente para fazer exercício”, conta. Ele acha que faltam mais barras e um bebedouro próximo à área de exercícios e que os campos de futebol continuam iguais ao que estavam antes da reforma.

A implantação do Parque Raposo Tavares, que fica na Rua Telmo Coelho Filho, 200, estava prevista para acontecer desde a gestão do ex-prefeito Fernando Haddad (PT), e foi revitalizada dia 29/1 pela gestão atual, mas o local já era um espaço frequentado por moradores da região.

Na notícia divulgada no portal da Prefeitura de São Paulo sobre a revitalização, as melhorias citadas são: reforma de banheiros, restauração nas churrasqueiras, reforma na quadra, substituição de traves no campo de futebol, colocação de bebedouros, colocação de lixeiras e iluminação.

Para o pedreiro João Vieira, 78, o Parque Raposo Tavares é praticamente seu quintal

Para a advogada Adriana Ribeiro, 35, logo que foi feita a reforma o parque ficou bonito. “O problema daqui é que acho que não tem verba para manutenção, tanto de jardinagem quanto de limpeza”. Ela frequenta o parque para passear com seu cachorro quase todos os dias e acredita que, além da manutenção, também seja necessário ter eventos no parque para a comunidade.

Em relação às áreas verdes, a prefeitura regional do Butantã possui 5,41 m² para cada morador, segundo dados do Observatório Cidadão, obtidos por meio do IBGE, do SVMA (Departamentos de Planejamento Ambiental e Parques e Áreas Verdes), da Secretaria Estadual do Meio Ambiente e Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano.

São 45% a menos do que recomenda a Organização Mundial da Saúde (OMS) que estabeleceu a meta de 12 m² por habitante, indicativo para que o poder público se esforce em criar ou ampliar espaços de preservação de área verde, tanto para conservação de ecossistemas, com uso restrito para pesquisa, quanto para lazer, com uso intensivo como parques e praças.

 

Fotos: Karol Coelho