Sudeste da capital teve o maior número de metas cumpridas na gestão Haddad

Publicado em Categorias Aricanduva/Vila Formosa, Ipiranga, Mooca, Sapopemba, Vila PrudenteTags

Garrafas de cachaças temperadas com cobra e até um frango inteiro estampam as prateleiras de uma bodega simples, embora chique, pelo menos no nome. A Casa do Norte Ponto Chic I está encravada entre casas de luxo na Vila Formosa, no sudeste da capital. Local onde até dois anos atrás temia os períodos chuvosos por conta das inundações. A preocupação era a mesma, tanto para os moradores do bairro quanto para os clientes do bar de Francisco Alves, paraibano de 34 anos.

Share this...
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on TumblrPin on Pinterest

Garrafas de cachaças temperadas com cobra e até um frango inteiro estampam as prateleiras de uma bodega simples, embora chique, pelo menos no nome. A Casa do Norte Ponto Chic I está encravada entre casas de luxo na Vila Formosa, no sudeste da capital. Local onde até dois anos atrás temia os períodos chuvosos por conta das inundações. A preocupação era a mesma, tanto para os moradores do bairro quanto para os clientes do bar de Francisco Alves, paraibano de 34 anos.

Crédito: Gabriel de Andrade Fernandes/ Flickr

O problema foi resolvido a partir de uma meta prometida pela prefeitura durante a gestão do ex-prefeito Fernando Haddad (PT). Ela tem número 104 e previa realizar intervenções em 79 pontos de alagamentos da capital.

Antes, segundo Alves, mais conhecido como Chiquinho, sem escoamentos, a correnteza chegava a mais de um metro de altura, invadindo o comércio e, principalmente, as casas mais rebaixadas, do outro lado da rua Anjo Custódio. “Era horrível. A gente tinha que ficar jogando água para fora, inundava os estacionamentos. Uma vez, foi tão forte que ficou no ‘pé’ do orelhão”, afirma o comerciante que, há quatro anos administra o estabelecimento.

Agora, Chiquinho garante estar aliviado para enfrentar a chuva e receber seus clientes — a maioria homens nordestinos que trabalham em obras da região, considerada uma das mais valorizadas da zona leste. “O problema foi resolvido. Colocaram duas bocas de lobo na curva da rua, o que ajudou a capturar e escoar a água”, comenta o empreendedor, que se desloca diariamente do Grajaú, na zona sul, até a Casa do Norte.

Os grandes contrastes, seja na oferta de serviços públicos ou na oportunidade de vagas de emprego, fazem parte do cotidiano do paulistano. Essas desigualdades também se refletem no cumprimento das metas da administração passada (2013-2016), que apontou diferenças entre as regiões da cidade.

As prefeituras regionais do sudeste da capital, onde além de Aricanduva/ Vila Formosa estão Mooca, Vila Prudente, Sapopemba e Ipiranga, concentram a maior porcentagem  de compromissos cumpridos na gestão anterior, com 56%. Dentre todas as prefeituras regionais da cidade, Aricanduva/ Vila Formosa aparece em primeiro lugar, com 71% de cumprimento, Sapopemba em segundo, com 60%, e Vila Prudente em terceiro, com 58%.

Essas taxas vão na contramão do que se verifica na zona sul, onde se concentrou o menor grau de cumprimento das metas: 48%. Enquanto isso, as regiões leste (nos extremos), norte e oeste alcançaram o mesmo nível de cumprimento, com 49%. Já na área central e na noroeste, figuraram 51% das metas completadas. Esse levantamento criterioso foi feito pelo pesquisador Américo Sampaio, a partir dos dados disponíveis no portal Planeja Sampa, ainda disponível na internet.

Residências inclusivas

Outra meta cumprida na região sudeste foi a 55, que instituiu a implantação de 10 residências inclusivas para pessoas com deficiência. O cumprimento ultrapassou, inclusive, o previsto. No total, 14 delas tiveram suas portas aberta. As residências são uma parceria com a Secretaria Municipal de Assistência Social e têm quatro unidades em Aricanduva/ Vila Formosa, duas em Santo Amaro, três em São Mateus, duas na Sé, duas na Vila Prudente e uma na Mooca.

Sem qualquer distinção de uma residência comum, 500 metros separam as duas casas de Aricanduva, mais especificamente no luxuoso bairro Anália Franco, ao lado de salões de cabeleireiros requintados, arranha-céus. Do lado de fora da rua Padre Landell de Moura, número 114, era possível perceber o papo entre várias pessoas saindo da janela e cruzando o jardim em frente à bela casa que abriga, no máximo, 10 pessoas.

Com menos pontos comerciais, mas ao lado de outros casarões, desde junho de 2016 outra dezena de moradores começou a habitar a residência inclusiva na rua Eunice Weaver, 163. A gerente da casa, Regina Magalhães, explica que aquela unidade tem majoritariamente pessoas com deficiência intelectual. “As casas, no entanto, podem receber qualquer tipo de morador com deficiência”.

Ainda de acordo com Regina, ao contrário de outras casas inclusivas, essa possui apenas mulheres, com idades que oscilam de 25 a 53 anos. “A ideia é ter justamente esse ambiente de casa, sem identificação com placa em frente”, diz. “Como elas vieram da ONG Lar Mãe do Divino Amor, e a instituição fica aqui pertinho, elas também desenvolvem algumas atividades lá”, completa.

Ainda na lista de promessas atendidas na região sudeste, está a inauguração da antiga subprefeitura, hoje prefeitura regional, de Sapopemba, tornando-se a 32ª da cidade. A sede foi aberta em 24 de janeiro de 2015, alocada na avenida Sapopemba, número 9.064, no  Jardim Grimaldi.

Em toda a cidade de São Paulo, a gestão petista prometeu cumprir 123 metas, das quais 71 foram 100% concluídas durante o mandato de Haddad, ou seja, 58% do previsto em 2013, quando teve início o antigo governo municipal.