Freguesia do Ó/ Brasilândia, uma das regiões mais populosas da zona norte

Publicado em Categorias Freguesia do Ó/BrasilândiaTags

Originalmente, a região foi povoada por imigrantes nordestinos que desembarcam nos sítios e chácaras de cana de açúcar entre meados das décadas de 50 e 60.

Share this...
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on TumblrPin on Pinterest

Um dos 280 mil habitantes do distrito da Brasilândia, Roberto de Castro Filho, 47, decidiu criar uma página no Facebook para contar a história da região. “Sou filho de pai mineiro e mãe paulista. Minha família foi uma das primeiras a morar aqui na Vila [Brasilândia]”, afirma o técnico de computadores. Na fanpage, Filho começou a publicar histórias sobre do surgimento do bairro homônimo aos moradores antigos, a maioria migrantes nordestinos que desembarcam nos sítios e chácaras de cana de açúcar entre meados das décadas de 50 e 60.

Carinhosamente chamada de “vila”, o bairro da Brasilândia, além de dar nome ao seu distrito, tempos depois se tornou o nome da prefeitura regional. Hoje, esta é uma das mais populosas da zona norte, com mais de 400 mil moradores.

Lançado há quatro anos, o canal virtual de Filho mudou de rumo e passou a dar visibilidade aos problemas locais, como buracos nas ruas, falta de pontos de ônibus, os lugares com maior incidência de assaltos e até mesmo desaparecimentos de pessoas e animais. “Tem até gente da Bahia que pede para publicar sobre um parente desaparecido aqui ou mães que reclamam de escolas que estão fechadas”, descreve.  De acordo com Filho, a página tem servido como um jornal, inclusive com demandas que são encaminhadas à prefeitura. O número de “seguidores” é expressivo: 32 mil.

Ao lado do distrito da Brasilândia está o da Freguesia do Ó, lugar eternizado nos versos da música “Punk da Periferia”, cantarolada por Gilberto Gil: “Sou um punk da periferia/ Sou da Freguesia do Ó/ Ó! Ó Ó Ó Ó Ó Ó Ó!…” Com uma área de 10,50 km2, a Freguesia possui cerca de 50 bairros, onde moram 142 mil pessoas. Juntos, os dois distritos formam a Prefeitura Regional da Freguesia do Ó/ Brasilândia.

O forte sentimento de identidade por grande parte dos moradores não minimiza problemas crassos, como carências no transporte público, na saúde e de lazer.

Promessas

Com promessa de entrega há 20 anos, o Hospital Municipal da Brasilândia, por exemplo, ainda está em fase de construção. Conforme dados do Observatório Cidadão, os dois distritos contabilizam 17 UBSs (Unidades Básicas de Saúde) – índice considerado na média da cidade.

Também em obras está a Linha 6-Laranja do metrô, que ligará a Brasilândia à região central. Elas estão paralisadas há seis meses – a expectativa é de que as obras sejam concluídas em 2021. Outra preocupação referente ao transporte público é a redução de linhas de ônibus.

Além disso, os bailes funk, constantes na região, incomodam grande parte dos moradores, que reclamam frequentemente do barulho e do acúmulo de lixo.

Conselheiro e morador da Brasilândia, Rui Primo, 52, ainda engrossa a lista de demandas, como a instalação de córregos, segundo ele, prioritárias para a região. “Estamos realizando um projeto para canalização do córrego Manoel Bolívar- Brasilândia e do córrego Cavaton-Freguesia do Ó. Além disso, temos um projeto pronto, com obra para ser licitada. Diz respeito à canalização do córrego Rio das Pedras”, elenca o assessor sindical.