a
a
HomeTemasHabitaçãoMoradias irregulares ao redor da Ceagesp foram destaque na audiência da Lapa

Moradias irregulares ao redor da Ceagesp foram destaque na audiência da Lapa

“Nós temos atualmente no entorno da Ceagesp – Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo – aproximadamente 500 moradores em situação de rua. É um tremendo problema social. Então temos uma questão social de um lado da avenida, enquanto o outro lado dela vive um boom imobiliário, com condomínios de alto padrão”, alerta o engenheiro mecânico, Carlos Gilardino, 62, morador e membro do Fórum Social do bairro Vila Leopoldina. Gilardino era um dos presentes na audiência pública do Plano de Metas (2017-2020), que aconteceu no dia 8 de abril.

“Não tem como atender os moradores novos que estão chegando sem resolver [os problemas] que já existem. É preciso fazer esse contraponto para equilibrar esse jogo. Há uma série de carências e problemas que já são estruturais e que já vem ao longo do tempo”, complementa o engenheiro.

Leia as reportagens do Especial Plano de Metas 2017-2020

A estudante Thais da Guia, 18, é moradora da Comunidade da Linha, situada próximo à companhia de entreposto, e, sob o risco de ser retirada da área, pediu mais atenção aos que vivem ali. “Queremos uma moradia digna. Eu estudo por aqui e não quero ir para longe. Eu agradeço por morar perto da Ceagesp porque é de onde meu padrasto trás os alimentos para minha casa. Se mudarmos para longe, como vamos viver, o que vamos comer? Quero que a gente pense todo mundo junto um jeito de continuarmos aqui com moradia digna”, conta a jovem.

“Acho injusto terem construído prédios comerciais, moradias de alto padrão e agora querer tirar algumas pessoas de lá e levar para longe. Querem tirar as comunidades que existem ali, os prédios da CDHU e levar para Perus. Há pessoas que vivem naquele terreno há mais de 40 anos. É fácil você construir algo luxuoso e discriminar a classe mais pobre, mas isso é desumano! Por que ao invés de desapropriar, eles não urbanizam?”, questiona o técnico de parede translúcida, Jailson Sousa, 30, morador da Vila Leopoldina.

Implantação e ampliação de ciclofaixas, acessibilidade para idosos e deficientes, construção de uma UBS (Unidade Básica de Saúde) no bairro da Lapa de Baixo, ampliar programas culturais já existentes, e a construção de uma passarela adequada e acessível na passagem Toca da Onça foram outras demandas apresentadas durante a audiência.

A audiência

Aos poucos, os lugares vagos do auditório da Prefeitura Regional da Lapa foram sendo preenchidos por dezenas de moradores interessados em conhecer mais e fazer sugestões ao Plano de Metas 2017-2020. Ao final, cerca de 80 pessoas estiveram presentes.

Com o início previsto para às 14h30, a audiência foi aberta às 14h48 com a fala do prefeito regional, Carlos Eduardo Fernandes. Em seguida, a secretária adjunta da Fazenda, Giulia Puttomatti, fez uma breve apresentação sobre a estrutura do Plano. Após a explicação dele, 25 moradores apresentaram as demandas dos seus bairros com o tempo limite de três minutos para cada fala. O evento foi transmitido ao vivo pela página do Facebook da Prefeitura Regional da Lapa.

“Foi uma boa participação dos moradores. O número [de participantes] poderia ser maior, mas é um processo de acúmulo de cidadania. O número de sugestões é grande. Vamos ver o volume que chegou pela internet também”, avalia Fernandes.

Você ainda pode enviar sugestões ao Plano de Metas. Veja aqui como.

 

Foto: Ariane Gomes

Nenhum comentário

Deixe um comentário.