Desconhecida, casa de 300 anos abriga um museu no Jabaquara

Publicado em Categorias Cultura, JabaquaraTags ,

Com baixa divulgação, o espaço ainda segue desconhecido por moradores

Share this...
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on TumblrPin on Pinterest
Casa Sítio da Ressaca, no Jabaquara, uma das fotos da exposição “Retratos da Cidade” (Vagner Vital)

Discreta, com pintura branca por dentro e por fora, janelas e portas de madeira escura, no estilo bandeirista, a Casa Sítio da Ressaca, parte integrante do Museu da Cidade, ainda passa despercebida por quem circula nos arredores da estação Jabaquara do Metrô. Com baixa divulgação, o espaço ainda segue desconhecido por moradores do bairro.

A construção de 1719, segundo inscrição na verga da porta principal, carrega uma história de luta e descobrimento que, ao longo de 300 anos, registra nas paredes e batentes a história do bairro e da cidade de São Paulo. Com foco na cultura afro-brasileira, a Casa já recebeu exposições sobre o poeta republicano, Luís Gama, considerado o maior abolicionista do país e que lutou pela liberdade de escravos.

Mãe de quatro filhos, a vendedora Maria de Fátima, 55, não sabia que próximo à sua casa havia um museu. “O único museu que eu conheço é o do Ipiranga e raramente nós vamos porque não temos dinheiro para pagar condução. A gente não está nem sabendo desse museu [Casa Sítio da Ressaca], e tem muitas outras coisas que às vezes ficamos sabendo por um ou outro”, diz.

Com uma população de 224 mil pessoas, o distrito do Jabaquara, na zona sul da capital paulista, está entre as regiões com menor índice de museus da cidade, sendo a Casa Sítio da Ressaca o único em registro. Situação oposta à região central, com 11 unidades apenas no distrito da Sé. Na zona oeste, de 2006 a 2015, Pinheiros passou de 3 para 8 espaços. Já o Butantã, passou de 14 unidades para 19 no mesmo período, de acordo com os dados do Observatório Cidadão.

Estudante do segundo ano do Ensino Médio, Edson Assunção, 16, estuda a poucos minutos da Casa Sítio da Ressaca. De ônibus, da Escola Estadual Dr. Carlos Augusto de Freitas Villalva Júnior, no bairro de Conceição, até o museu são 11 minutos. Mas, nem mesmo a proximidade fez com que o garoto soubesse da existência do local. Um dos motivos: a falta de sinalização.

A Casa Sítio da Ressaca está localizada entre duas vias, a avenida Francisco de Paula Quintanilha Ribeiro, ao lado do pátio de manobras do Metrô, e a rua Nadra Raffoul Mokodsi. A primeira tem maior movimentação devido à passagem de linhas de ônibus em direção ao metrô e a um hospital municipal. Porém, somente a Nadra Raffoul Mokodsi tem placa informativa sobre o museu.

Segundo a administração do Museu da Cidade, vinculada à Secretaria Municipal da Cultura, a responsabilidade de instalação das placas informativas é do Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional). Entretanto, a pasta sinaliza que a Casa Sítio da Ressaca passará por restauro, pois está com sua estrutura comprometida. Quanto às ações no local, a administração informa que estarão restritas por tempo indeterminado, e que após os reparos, será solicitada a indicação sobre o museu na parte interna da Estação Jabaquara do Metrô.

Segundo o órgão, há duas escolas da região que estão começando a agendar visitas educativas ao local e que já realizam outras atividades para o público. Atualmente, o museu está aberto apenas para visitas educativas guiadas.

Serviço:

Casa do Sítio da Ressaca
Endereço: rua Nadra Raffoul Mokodsi, 3 – Jabaquara, São Paulo
Horário de funcionamento: Terça a domingo, das 9h às 17h
Entrada gratuita
Tel.: (11) 5011-7233