Em Ermelino Matarazzo, frequentadores querem que praça seja ponto cultural

Publicado em Categorias Cultura, Ermelino Matarazzo, LazerTags

Quem mora no distrito de Ermelino Matarazzo, certamente já ouviu falar da praça Benedicto Ramos Rodrigues, que mesmo sem estrutura, é palco para diversas atrações culturais, festejos, como o aniversário do local e a festa do 1º de Maio, bazares e até mesmo ações políticas. No site SP Cultura, da Prefeitura de São Paulo, a…

Quem mora no distrito de Ermelino Matarazzo, certamente já ouviu falar da praça Benedicto Ramos Rodrigues, que mesmo sem estrutura, é palco para diversas atrações culturais, festejos, como o aniversário do local e a festa do 1º de Maio, bazares e até mesmo ações políticas. No site SP Cultura, da Prefeitura de São Paulo, a praça é listada como um dos espaços que estão disponíveis para a realização de atividades culturais na região. Porém, este “reconhecimento” esconde as dificuldades que muitos moradores encontram na hora da alocação.

“A falta de um banheiro químico, de bancos e de lixeiras são alguns dos problemas que limitam a permanência de muitos moradores no espaço”, afirma o artista plástico Ricardo Cardoso, 54. Além disso, no entorno da praça não há nenhum comércio, o que complica ainda mais a situação.

Ao 32xSP, o prefeito regional de Ermelino Matarazzo, Arthur Xavier, informou que tem grande interesse em dar continuidade ao projeto original da praça, que não foi implementado completamente pelas outras gestões. Para isso, ele pretende incluir uma concha acústica, um calçamento ecológico, bancos, mesas para jogos, banheiros, entre outros.

O projeto “Samba no Asfalto” é um dos responsáveis por promover cultura para a região, que tem 117 mil habitantes. Desde 2015 tem samba na Benedicto Ramos Rodrigues todo terceiro domingo do mês. Para Lucimauro Silva, 33, um dos idealizadores, ainda há muito o que ser feito no local. “Por mais que na lei a praça não tenha reconhecimento, nós, do ‘Samba do Asfalto’, e também moradores já reconhecemos ela como um ponto cultural”, diz.

Desde o início, o grupo tem uma parceria com a prefeitura regional para o empréstimo de tendas. “Nós é que devemos retirar as tendas e entregá-las. Nunca tivemos um grande problema com isso, mas claro que se houvesse uma tenda fixa facilitaria muito a todos”, finaliza Silva. Já Cardoso conta que infelizmente já passou por algumas situações complicadas para conseguir o empréstimo de tendas.

Como forma de resolver esta questão, os moradores se reuniram durante todas as segundas-feiras de março na igreja São Francisco de Assis e decidiram colocar como sugestão para o Plano de Metas 2017-2020 o reconhecimento da praça como ponto de cultura de Ermelino Matarazzo.

 

Foto: Danielle Lobato