81% da zona leste é contra fim dos cobradores de ônibus municipais

Publicado em Categorias + Notícias, Mobilidade, Transporte público, Zona LesteTags , ,

Já a média da polulação paulistana é 75%, segundo nova pesquisa de mobilidade urbana

Ponto de ônibus em Santana, zona norte de SP (Paula Rodrigues/Agência Mural)

A catraca nem sempre é perto do volante. Quando o ônibus está lotado e alguém está sem o bilhete único, dá início ao “passa-passa, até que o dinheiro chegue ao motorista. Tudo se repete, agora, com o troco. Corta para os passageiros fora do veículo: eles também querem embarcar, sem sucesso, enquanto resmungam dos pagantes em dinheiro, que empatam o fluxo.

Situações como essas se tornaram corriqueiras em São Paulo, depois que centenas de  motoristas passaram, também, a exercer a função de cobradores. No entanto, 75% dos paulistanos é contra o fim da função.

É o que mostra a Pesquisa de Mobilidade Urbana 2017, divulgada em setembro pela Rede Nossa São Paulo, Cidade dos Sonhos e Ibope.

Essa porcentagem é ainda maior na zona leste 2, onde estão, por exemplo, Cidade Líder, Cidade Tiradentes, Ermelino Matarazzo, Guaianases e São Mateus. Por lá, 81% da população é desfavorável à retirada dos cobradores.

Um desses moradores é o assistente administrativo Rafael Bertoldo, 23. Para ele, as viagens ficaram piores, já que cobradores atuavam como ajudantes tanto dos passageiros quanto dos motoristas.

“Às vezes, o ônibus está tão cheio que o motorista não consegue observar o trânsito para fazer uma curva ou ultrapassagem. Os passageiros precisam ajudá-lo”, afirma Bertoldo, que sai todos os dias da Cidade Tiradentes, no extremo leste, em direção ao Butantã, na zona oeste, onde trabalha.

Leia mais 

Moradores da zona leste são os que mais esperam no ponto de ônibus
Quiz: o que o paulistano acha dos meios de transporte em SP?
Passageiras do extremo sul são as que mais reclamam de assédio

Também contra a demissão dos cobradores, a estudante de moda e fotógrafa Bárbara Lobato, 23, diz que, em muitas casos, os motoristas não conseguem resolver falhas nas máquinas [do bilhete único], o que acaba gerando tumulto nos ônibus.

“Não tem como o motorista parar e ver o que rola. Além do troco das pessoas que, muitas vezes, não tem como trocar na hora. Daí as pessoas começam a acumular na frente, antes da catraca, isso quando já se está cheio”, exemplifica.

EX-COBRADOR

Edney Silva Lima, 45, foi cobrador por mais de cinco anos. Ele acredita que o uso do dinheiro fique cada vez mais escasso por conta da tecnologia, o que, para ele, afetará diretamente a profissão.

“Estão tentando até com cartão de banco fazer com que o usuário compre sua própria passagem. O lado ruim é que vai demitir muitos pais de família, mas por culpa da modernidade do mundo, né?”, questiona.

Ônibus sem cobrador na zona leste de SP (Paula Rodrigues/Agência Mural)

De acordo com a Secretaria Municipal de Transportes, existem atualmente 18.000 cobradores na cidade de São Paulo. Em junho deste ano, o Tribunal de Justiça de São Paulo considerou inconstitucional a lei 13.207, de 2001, que obrigava a Prefeitura manter os cobradores nos ônibus.

Favorável à lei, o prefeito João Doria (PSDB) afirmou à imprensa, no início do ano, que a retirada dos cobradores economizaria R$ 800 milhões de reais anuais. Doria também disse que irá extinguir a função até 2020.

Em nota ao 32xSP, a SPTrans afirma que, mesmo com as mudanças nos ônibus, não há a perspectiva de que os profissionais fiquem desempregados.

A atual administração estuda a paulatina recolocação dos cobradores em outras atividades dentro do sistema, de forma que os profissionais possam exercer outras atividades relacionadas à operação, manutenção ou administração das empresas. Não há um prazo estabelecido para essa mudança”.