Corte de linhas de ônibus muda hábitos de moradores na zona leste

Publicado em Categorias _01_home-posicao-04, Itaim Paulista, Itaquera, Penha, São Miguel Paulista, Transporte público, Zona LesteTags , ,

Passageiros de São Miguel e Itaim Paulista escolhem caminhos alternativos para driblar a demora dos coletivos e evitar atrasos

Share this...
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on TumblrPin on Pinterest
Corte de linhas de ônibus muda os hábitos de deslocamento dos moradores da zona leste
Ponto de ônibus em São Miguel Paulista (Eduardo Silva/32xSP)

A longa espera pelo ônibus é algo comum na vida da estudante Larissa Silva, 18, que mora em São Miguel Paulista, na zona leste da capital paulista. O problema é quando os atrasos, a demora excessiva ou a irregularidade no intervalo dos coletivos fazem a jovem se atrasar para seus compromissos.

Para evitar estresse, muitas vezes, Larissa opta por ir a pé até a Avenida Marechal Tito – a principal do bairro – onde tem mais opções de lotações.

“Antes eu tinha duas opções de ônibus para ir até o centro do bairro ou da cidade, então embarcava no primeiro que passasse. Agora só há uma opção de linha para usar, e, por causa da demora, já cheguei a ficar 25 minutos esperando”, comenta.

LEIA MAIS: 81% da zona leste é contra fim dos cobradores de ônibus municipais

O exemplo de Larissa se tornou comum para muitos usuários de ônibus da capital. No primeiro semestre de 2017, a SPTrans recebeu mais de 18 mil reclamações relacionadas ao sistema – um número 22% menor do que o mesmo período no ano anterior, mas, ainda assim, alto. A principal queixa, com quase 5.000 mensagens, é a demora no intervalo entre os coletivos.

Além disso, de acordo com a pesquisa de Mobilidade Urbana 2017, realizada pela Rede Nossa São Paulo, Ibope e Cidade dos Sonhos, o nível de satisfação dos moradores de São Paulo em 2017 em relação ao transporte público caiu bastante em relação ao ano anterior — 3,8 em 2017, ante 5,1 em 2016 (considerando uma escala entre 1 e 10, no qual 1 significa totalmente insatisfeito e 10 totalmente satisfeito).

Na zona leste, especificamente, passageiros dizem que após o corte de quatro linhas (confira quadro abaixo) que atendiam os bairros de São Miguel Paulista e Itaim Paulista, em agosto do ano passado, a espera pelos ônibus das linhas restantes aumentou muito – e as reclamações também.

“Eu quase sempre me atrasava para o trabalho, até que desisti de pegar ônibus e comecei a ir a pé até à estação Jd. Helena / Vila Mara da CPTM. Se o ônibus passar enquanto estou descendo a rua, eu pego, mas geralmente tem sido mais fácil ir andando mesmo”, afirma o analista fiscal Daniel Correia, 24.

Uma alternativa para driblar a espera é ter o controle do horário em que os ônibus passam por meio de aplicativos de celular que mapeiam o transporte público com base em sua localização GPS atual.

É o que o funcionário público Bruno Delfran, 27, tem feito. “Eu só saio de casa quando o aplicativo mostra que o ônibus está próximo, assim eu passo o menor tempo possível na rua esperando”, diz.

Questionada a respeito, a SPTrans afirma que “as alterações operacionais realizadas ao longo do ano de 2017 têm como objetivo tornar o sistema municipal de transporte coletivo mais eficiente e dar fluidez aos ônibus, diminuindo a sobreposição de linhas e possibilitando diminuir o intervalo entre veículos”.

Corte de linhas de ônibus muda os hábitos de deslocamento dos moradores da zona leste
Ponto de ônibus em São Miguel Paulista (Eduardo Silva/32xSP)
LINHAS DE ÔNIBUS EXTINTAS NA ZONA LESTE DE SP
Em agosto de 2017, quatro linhas de ônibus foram canceladas; confira:
– 2022/10 (Jardim dos Ipês – Terminal A. E. Carvalho)
– 2768/10 (Vila Mara – Metrô Penha)
– 2628/10 (Jardim Nazaré – Terminal Aricanduva)
– 2628/22 (Jardim Nazaré – Terminal São Miguel)

 

Na ocasião, a SPTrans informou que outras duas linhas — 2772/10 (Jardim Nazaré – Metrô Penha) e 2769/10 (Jardim Romano – Metrô Tatuapé) — seriam ajustadas para atender os passageiros das linhas canceladas e teriam alteração no itinerário, aumento na oferta de lugares e ajuste na programação horária.

VEJA TAMBÉM: Ônibus das zonas norte e leste demoram cerca de 40 min para passar

“A linha 2772-10 [que serve como alternativa para todas as linhas canceladas] foi reprogramada com acréscimo de quatro ônibus e de 22 partidas, passando a operar com 10 ônibus em 65 partidas por dia útil”, afirma a companhia por meio de sua assessoria.

Por outro lado, o site da SPTrans também mostra que esta linha tem intervalos irregulares, que variam entre 15 e 20 minutos. Após às 22h, o tempo de intervalo é ainda maior: aumentando para 25 minutos (22h – 22h59) e 30 minutos (23h – 23h59).

“Quando eu volto para casa de noite, evito fazer esses ‘caminhos alternativos’. Prefiro esperar o ônibus em um ponto mais movimentado da avenida, mesmo que ele demore. Tenho receio de assaltos no meio do caminho, por exemplo”, finaliza Larissa.

Mais sobre a mobilidade urbana em SP:

Passageiras do extremo sul de SP são as que mais reclamam de assédio em ônibus