Calçadas em SP: pessoas com deficiência falam sobre mobilidade

Categorias _01_home-posicao-03Tags , ,

“São Paulo deveria ter as calçadas da avenida Paulista como modelo, assim iria garantir a mobilidade de todos os cadeirantes”, sonha Fabiano Molina, 33.

Acessibilidade é ainda um desafifo para pessoas com deficiência (CCBY/Crystian Cruz)

Após assumir a prefeitura, em janeiro de 2017, o ex-prefeito João Doria (PSDB) se colocou em uma cadeira de rodas e circulou por calçadas da capital paulista. A atitude teve atenção na mídia, mas a situação das vias pouco mudou.

“São Paulo deveria ter as calçadas da avenida Paulista como modelo, assim iria garantir a mobilidade de todos os cadeirantes”, afirma Fabiano Molina, 33.

Com paralisia cerebral desde o nascimento, o tradutor  acredita que a mobilidade na cidade é “nula”, “impedindo o direito de ir e vir”: “Moro no Tatuapé [zona leste], mas quando preciso encontrar um amigo vou até a [avenida] Paulista. Meus locais de passeio são restritos’’.

LEIA MAIS:
– Calçadas e semáforos são os principais problemas da avenida Pirajussara
– Itaim Paulista recebeu o primeiro mutirão que busca recuperar calçadas

Estela Laponi, 34, que convive com as sequelas após um AVC (acidente vascular cerebral) há 20 anos, também reclama da falta de acessibilidade.

“A minha rua é da década de 30, quando praticamente ninguém tinha carro. Então a frente das casas eram jardins que davam pra rua. Hoje esses jardins viraram garagem, e pelo pouco espaço ‘comeram’ as calçadas. O que nos obriga a andar na rua”, lamenta a atriz que mora em Pinheiros, na zona oeste.

“Moro só e faço tudo sozinha. O único problema é que não consigo carregar coisas pesadas.”

ILHA DE ACESSIBILIDADE

Já Eleni Heler, 71, reconhece o privilégio de morar em uma região com calçadas mais cuidadas e acessíveis. Ela vive na alameda Santos, importante via entre a avenida Paulista e a estação Paraíso do Metrô.

“A maioria das calçadas que eu ando é acessível. Um terço ainda é ruim”, diz ela, que se locomove no bairro com a ajuda de uma cadeira de rodas de mais de R$ 9.000. Já para trajetos mais longos costuma usar o transporte público.

Eleni Heler utiliza cadeira elétrica que custa R$ 9.000 (Raphael Preto/32xSP)

FALTAM REGRAS

Para Roberto Righi, professor de pós-graduação  da Universidade Mackenzie, falta padronização nas calçadas da cidade, que se dá pela pouca vigilância.

“Em ano de eleição a fiscalização tende a cair, e as pessoas sabem disso e aproveitam. A administração pública no Brasil é descontínua e isso faz com que não se estabeleça uma regra.”

Orientado por Righi, Lucas Feitosa, mestre em arquitetura pelo Mackenzie e professor da Universidade São Francisco, escreveu uma dissertação sobre situação das calçadas paulistanas.

A ideia de desenvolver a pesquisa ganhou força após um período como estagiário na prefeitura regional de Santana, na zona norte. “Tive muito contato com normas técnicas e leis sobre acessibilidade nesta época”, explica.  

“O decreto federal 5.296 que deu efeito de lei a tudo que está na norma técnica de acessibilidade. A diretriz é de 2004, mas na minha visão ela só começou a ser aplicada de fato em 2010″, lamenta o mestre em arquitetura.

Para Feitosa, as normas técnicas procuram traduzir a acessibilidade e a mobilidade como valores sociais. Mas isso está longe de ocorrer na prática.

De acordo com o Irbem 2017 (Indicadores de Referência de Bem-Estar no Município),  a zona sul (região 2) de SP tem a avaliação em acessibilidade para pessoas com deficiência, com nota 2,9 dos paulistanos (numa escala de zero a dez).

“Há muitas vias desniveladas, buracos nas ruas, entre outros que tornam a locomoção na cadeira de rodas muito mais difícil”, afirmou o estudante de relações públicas Bruno Lopez, 30, em reportagem publicada em junho de 2017 no 32xSP.

Lopez gasta uma hora de sua casa em Itaquera, na zona leste, para chegar à universidade, no centro da capital paulista. A região também registra nota baixa no quesito: 3,5.

VEJA TAMBÉM:
– Um ano após ‘Cidade Linda’, avenida Celso Garcia mantém problemas
– 
Determinação do MP faz regional de Guaianases alugar novo prédio

Segundo a Secretaria Regional das Prefeituras Regionais, foram realizadas ações de melhorias nas calçadas das 32 prefeituras locais por meio da instalação de rampas e pisos táteis.

No entanto, a pasta reforça que o proprietário é o responsável pela conservação das calçadas.

A administração municipal conta também com um site com informações específicas sobre calçadas, com orientações sobre acessibilidade adequada, largura mínima permitida, entre outros dados. 

***

Acessibilidade de pessoas com deficiência é mal avaliada em São Paulo