Movimento de moradia abandona audiência sobre plano orçamentário

Categorias _01_home-posicao-04, Centro, Habitação, Participação Social, Política, , TemasTags , , ,

Moradores reclamam de descaso e falta de representatividade. Evento ocorreu nesta terça-feira (17), na Prefeitura Regional da Sé, no centro da capital paulista

Movimento de moradia abandona audiência sobre orçamento na Sé
Auditório da Prefeitura Regional da Sé praticamente vazio após a saída das pessoas que integram o movimento de moradia (João Paulo Brito/32xSP)

Cerca de 50 pessoas que fazem parte do Movimento de Moradia na Luta por Justiça (MMLJ), filiado à Frente de Luta por Moradia (FLM), abandonaram a audiência pública na Prefeitura Regional da Sé, nesta terça-feira (17), onde se discutia o planejamento orçamentário municipal. O motivo alegado foi “descaso” e “falta de representatividade” no evento.

Durante seu tempo de fala, Ivaneti Araújo, 45, coordenadora do FLM, criticou a falta de divulgação da reunião e convocou os demais membros do grupo a se retirarem da sessão.

A líder popular, que também integra o Conselho Regional da Saúde Centro e o Conselho do Orçamento Participativo, afirmou que, além dela, todas as demais pessoas que a acompanhavam foram informadas sobre a audiência apenas 40 minutos antes dela começar.

LEIA MAIS
– Moradores do Campo Limpo cobram por habitação em audiência
– Novo coordenador do Conselho Participativo rejeita aumentar representação popular

“Eu acho uma falta de respeito. Não é válida esta audiência pública para discutir um orçamento que é de tanta valia. Não concordo”, ressaltou Ivaneti, que pretende abrir uma representação no Ministério Público de São Paulo caso a audiência não seja barrada.

“Temos que sair daqui com proposta de convidar as pessoas que realmente querem transformar a cidade de forma digna como ela merece”, completou, frisando que as principais pessoas que discutem os temas da região não estavam presentes.

O 32xSP filmou a saída do grupo aos gritos de: “Parem de tratar a gente feito lixo. Somos seres humanos. É a gente que constrói essa cidade”. Assista ao vídeo:

O auditório que havia atingido lotação máxima de cerca de 70 pessoas ficou praticamente vazio após o levante. Nove das doze pessoas que restaram no espaço faziam parte da equipe da Prefeitura Regional da Sé.

Em resposta, a equipe de comunicação da Prefeitura Regional da Sé alega que a data da audiência foi divulgada no portal do órgão e em suas redes sociais, assim como nos diversos conselhos que participam das discussões relacionadas a temas do município.

“Tudo que nós fazemos, todas as ações, todos os esclarecimentos estão na página [da Prefeitura Regional] do Facebook e no portal da Prefeitura. Nós temos uma limitação agora por conta do semestre eleitoral, devido a isso algumas informações não podem ser publicadas na página oficial da Prefeitura, mas no Facebook da Prefeitura Regional todas as nossas ações estão lá”, explica a porta-voz.

Movimento de moradia abandona audiência sobre orçamento na Sé
Eduardo Odloak (em pé), prefeito Regional da Sé apresenta as diretrizes para as discussões da Lei Orçamentária (João Paulo Brito/32xSP)

LUTA POR MORADIA

A Frente de Luta por Moradia é um dos principais e mais articulados movimentos populares de luta por habitação em São Paulo. O Movimento de Moradia na Luta por Justiça, filiado à FLM, tem três ocupações no centro com mais de 800 famílias, de acordo informações em seu site.

LEIA MAIS
Veja chapas que disputam eleição para o Conselho Municipal de Habitação

De acordo com a Secretaria Municipal de Habitação, a capital paulista possui um déficit de 358 mil moradias e reconhece que cerca de 830 mil famílias vivem em assentamentos precários.

AUDIÊNCIAS ORÇAMENTÁRIAS

Até o dia 26 de julho, a Secretaria da Fazenda está realizando audiências públicas para discutir sugestões relacionadas à lei orçamentária da cidade para o ano de 2019.

Cada uma das 32 prefeituras regionais da capital receberá uma reunião aberta para tratar sobre a Proposta de Lei Orçamentária Anual (PLOA). Qualquer morador poderá comparecer e expor dúvidas, opiniões e propostas sobre onde e como a Prefeitura pode investir o dinheiro da cidade.

O que você sabe sobre a Sé?