80% dos moradores de Pinheiros ganham ao menos 10 salários mínimos

08/08/2016 10:23 | Atualizado: 26/03/2019 13:40
Reportar erro Categorias PinheirosTags

Um dos bairros mais conhecidos da cidade de São Paulo, Pinheiros surgiu em 1560 a partir de uma aldeia indígena que ficava às margens do Rio Pinheiros. Também pertencente ao distrito de Pinheiros, a famosa Vila Madalena, antes de se tornar reduto boêmio ou receber o status de bairro “descolado”, chamava-se, no passado, Vila dos…

Um dos bairros mais conhecidos da cidade de São Paulo, Pinheiros surgiu em 1560 a partir de uma aldeia indígena que ficava às margens do Rio Pinheiros. Também pertencente ao distrito de Pinheiros, a famosa Vila Madalena, antes de se tornar reduto boêmio ou receber o status de bairro “descolado”, chamava-se, no passado, Vila dos Farrapos.

Ambos os bairros fazem parte da Subprefeitura de Pinheiros, da qual reúne também os distritos Alto Pinheiros, Itaim e Jardim Paulista. Com seus quase 290 mil moradores, segundo o último Censo do IBGE, a região abriga quatro entre os 10 bairros mais ricos de São Paulo, como o Jardim Paulista, o Alto de Pinheiros, o Itaim Bibi e o Pinheiros.

Segundo dados fornecidos pela assessoria de comunicação da Subprefeitura de Pinheiros, 77% do total de moradores da região ganham mais de 10 salários mínimos, ou seja, 11% de toda a população do município de São Paulo. Já a população da terceira idade representa 21% dos habitantes da região.

Em matéria de cultura – quando falamos em acervo de livros ou acesso a cinemas e teatros, ou a salas de show e concerto – os distritos da região de Pinheiros assumem as primeiras posições no ranking.

No caso das salas de shows e concertos são 119, ao todo, segundo apontam os dados do Mapa da Desigualdade, de 2015.  Isso representa um número 40 vezes maior do que a região do M’Boi Mirim, na zona sul.

O Largo da Batata, o Mercado de Pinheiros, as praças Pôr do Sol e Victor Civita, além dos shoppings Eldorado e Iguatemi são alguns dos pontos de referências da região, que tem como subprefeitura a geóloga Harmi Takiya, e por onde circulam, todos os dias, em torno de 1,5 milhão de pessoas.

A PRIMEIRA SUBPREFEITA DE SP

No cargo desde março de 2015, Harmi é apenas uma entre as quatro mulheres subprefeituras da cidade, que tem oito vezes mais homens ocupando o cargo.

Servidora da Prefeitura de São Paulo desde a década de 90, em de agosto de 2002, ela tornou-se a primeira mulher a ser nomeada subprefeita, na Mooca. Por lá permaneceu até 2004.

Antes de assumir a cadeira em Pinheiros, nos últimos 10 anos Harumi atuou na Empresa Municipal de Urbanização – EMURB/PMSP e São Paulo Urbanismo, sendo o último cargo ocupado nesta empresa pública o de Superintendente de Planejamento da Paisagem.

Segundo a Subprefeitura de Pinheiros, no setor de serviços, somente na região, são registrados mais de 306 mil empregos, o que correspondente a 18% de todo o município.

No quesito saúde, até 2015, a região contabilizava somente três UBSs (Unidade Básica de Saúde). Além disso, também conforme dados do Mapa da Desigualdade, embora seja uma das regiões com maior concentração de renda da cidade, contabilizou a existência de 347 domicílios em favelas. Se comparado à Subprefeitura do Campo Limpo, esse é um número 120 vezes menor.