CAT de Ermelino Matarazzo fecha as portas para os desempregados da região

11/10/2016 10:55 | Atualizado: 01/11/2016 14:39
Reportar erro Categorias Emprego, Ermelino MatarazzoTags , ,

Há cerca de dois meses a Subprefeitura do Ermelino Matarazzo não presta mais atendimento, na área trabalhista para os moradores desempregados. O serviço que acontecia no interior da sede, no CAT (Centro de Apoio ao Trabalhador) de Ermelino Matarazzo passou para a Subprefeitura do Itaim Paulista/Vila Curuçá. Desde 2012 a região do Ermelino, vem sendo…

Há cerca de dois meses a Subprefeitura do Ermelino Matarazzo não presta mais atendimento, na área trabalhista para os moradores desempregados. O serviço que acontecia no interior da sede, no CAT (Centro de Apoio ao Trabalhador) de Ermelino Matarazzo passou para a Subprefeitura do Itaim Paulista/Vila Curuçá.

Desde 2012 a região do Ermelino, vem sendo apontada como uma das piores nos indicadores de pessoas desempregadas, com 11,60%, de acordo com o Observatório do Cidadão. Entre a faixa etária mais afetada estão os jovens, com 14,64%.

A Secretaria Municipal do Desenvolvimento, Trabalho e Emprego informou que a decisão de fechar os 12 CATs em São Paulo, foi tomada em conjunto com o Ministério do Trabalho. Sob a alegação a falta de recursos, todas as regiões foram afetadas. Três centros foram fechados, sendo: três na região central, quatro na zona sul, três na zona leste e dois na zona norte.

O CAT é uma rede de apoio ao trabalhador que reúne vagas de empregos quando disponíveis pelas empresas, palestras gratuitas de qualificação, oportunidade do primeiro emprego, orientação na elaboração de currículo, emissão de carteira profissional e etc.

“Cheguei pela parte da manhã ao CAT de Ermelino e lá me informaram que não haveria mais o funcionamento, fiquei chateada pela viagem perdida e pelo fechamento de diversos centros na cidade de São Paulo. Além disso, uma das grandes dificuldades que encontro sempre que vou ao CAT é a falta de retorno deles para conosco desempregados”, relata Luciana Oliveira, 25, desempregada há dois anos e meio.