“O imigrante tem as marcas das saudades”, diz conselheiro boliviano

Era tarde e uma forte chuva de verão caía sobre São Paulo, quando Samuel Dany Añez, 37, recebeu o 32xSP em seu local de trabalho para um bate-papo sobre imigração e sobre a própria trajetória de vida. Há oito anos, o boliviano reside na capital paulista e há três é conselheiro participativo do Jabaquara, na zona sul da cidade.