Quais são e onde estão as escolas públicas de ensino integral em SP?

04/05/2018 12:17 | Atualizado: 11/02/2020 17:21
Reportar erro Categorias _01_home-posicao-04, Aricanduva/Vila Formosa, Butantã, Campo Limpo, Capela do Socorro, Casa Verde, Cidade Ademar, Cidade Tiradentes, Educação, Ermelino Matarazzo, Freguesia do Ó/Brasilândia, Guaianases, Ipiranga, Itaim Paulista, Itaquera, Jabaquara, Jaçanã/Tremembé, Lapa, M'Boi Mirim, Mooca, Parelheiros, Penha, Perus, Pinheiros, Pirituba/Jaraguá, Santana/Tucuruvi, Santo Amaro, São Mateus, São Miguel Paulista, Sapopemba, Temas, Vila Maria/Vila Guilherme, Vila Mariana, Vila Prudente, Zona Leste, Zona Norte, Zona Oeste, Zona SulTags

Método com jornada conta com até nove horas e três refeições diárias; confira mapa com as localizações

Escola Estadual Adelaide Rosa Fernandes Machado de Souza adotou o programa de ensino integral (Reprodução)

Neste ano, 132 escolas da capital paulista começaram o ano letivo oferecendo educação em tempo integral, possibilitando que alunos e professores permaneçam mais tempo dentro da sala de aula. Em 2019, cerca de 32 mil alunos estudaram neste modelo na cidade.

O 32xSP mapeou a localização de todas as escolas (confira ao final da reportagem) e conversou com mães sobre as percepções do modelo de ensino.

“Meu filho estuda no período integral, com direito a café da manhã, almoço e lanche no final da tarde”, conta a subgerente de loja Raquel Fonseca, 29, moradora da zona leste. “Com esse método de ensino, as notas melhoraram bastante, acho que é devido a maior carga horária. Quero que ele permaneça nesta escola”.

DOIS MODELOS 

O sistema de ensino integral do Estado de São Paulo conta com dois modelos. No Escola de Tempo Integral (ETI), o estudante pode participar de aulas, atividades esportivas e culturais durante o contraturno. Atualmente 23 escolas da cidade atuam neste modelo.

Já o Novo Modelo de Escola de Tempo Integral (PEI) é um dos programas prioritários da Secretaria da Educação do Estado, implementado em 132 escolas da capital. Nele, os alunos possuem uma jornada de até nove horas e meia, incluindo três refeições diárias. Além das aulas regulares, os alunos contam com disciplinas eletivas e podem participar de grupos de jovens, como de teatro ou literatura. 

Outra característica é a presença do professor tutor, docente escolhido pelo aluno para acompanhar o desenvolvimento individual do estudante. 

VEJA TAMBÉM:
A busca por uma vaga em creche na Vila Andrade, que pode chegar a 260 dias

De acordo com a gestora do programa de ensino integral do estado de São Paulo, Bruna Waitman, a meta é que até 2023 o estado tenha 1.400 escolas operando neste modelo – atualmente são 640 – e que, no futuro, qualquer aluno que deseje estudar em uma escola PEI tenha essa opção. 

“O ensino integral traz uma série de vantagens para os estudantes e professores”, explica Bruna. “O resultado de aprendizagem dos estudantes do ensino médio dessas escolas é 60% mais alto do que das outras. Tem muita gente que acha que ensino integral é só sobre o tempo, mas na verdade há muitas oportunidades de desenvolvimento”. 

O filho de Maria Letícia Santos, 32, começou estudando em uma escola estadual de ensino regular, mas mudou para outra de ensino integral. “A diferença é evidente. As professoras conhecem as particularidades de cada aluno. Ele tem aulas diferenciadas como horta, educação socioemocional, cultura do letramento e ainda atividades dirigidas no horário do intervalo”, conta.

“Acho que vale muito a pena esse método, pois além de ajudar os pais que precisam trabalhar o dia todo, o aluno ainda tem a possibilidade de imersão total no aprendizado”. 

Implementação 

Para que uma escola passe a oferecer o Novo Modelo de Escola de Tempo Integral é necessária a adesão da comunidade escolar, que é formada por professores, diretores, estudantes, pais e funcionários da escola.

De acordo com Bruna, os conselhos escolares fazem reuniões nas quais manifestam o desejo da comunidade ingressar ao programa e enviam as atas para Secretaria de Educação, que analisa os documento e vê a possibilidade de integrá-las ao programa. A prioridade da escolha estão sendo escolas maiores e com índices de vulnerabilidade mais altos.

Além disso, as escolas que já atuavam no modelo ETI foram convidadas a tornarem-se PEI. “Neste ano 92 escolas aderiram a mudança, porque a gente vê que existem muitos elementos que agregam bastante para os estudantes e professores”, expõe Bruna.

Alunos que já estudavam nas escolas que passaram a oferecer o ensino integral são prioridade para matrícula, mas a gestora explica que qualquer aluno que tiver interesse pode estudar em uma das unidades que oferecem o ensino integral.

Confira abaixo a localização das escolas públicas de ensino integral de São Paulo ou, se preferir, veja os endereços em planilha.