Novo coordenador do CPM rejeita aumentar representação popular

16/07/2018 18:27 | Atualizado: 27/07/2018 12:28
Reportar erro Categorias + Notícias, Conselho ParticipativoTags ,

Advogado Orlando Paixão retoma contatos com prefeituras regionais e defende decreto de redução do número de conselheiros participativos municipais

Novo coordenador do Conselho Participativo quer diálogo, mas rejeita aumentar representação popular
O advogado Orlando Paixão revela seus planos à frente do órgão (Assessoria PR-MG)

O novo coordenador do Conselho Participativo Municipal (CPM), o advogado Orlando Paixão, 42, em entrevista ao 32xSP, por escrito, revelou seus planos à frente do órgão e admitiu que “havia um distanciamento” entre os participantes do Conselho, incluindo o Executivo, prefeituras regionais e representantes populares.

Paixão, que assumiu o cargo há um mês, após a exoneração de Celso Henriques de Paula, descartou o aumento do número de conselheiros, reduzido pela gestão Doria, em 2017, a menos da metade do estabelecido pelo governo anterior. Ele também falou sobre a apuração do Ministério Público de supostas irregularidades na última eleição do CPM.

LEIA MAIS
MP cobra Prefeitura sobre eleição do Conselho Participativo Municipal
Conselheiros questionam a redução dos conselhos participativos

Questionado sobre a atual estrutura de conselheiros regionais, o coordenador afirma que o número de componentes só não será mantido para a próxima eleição “se o decreto de 2017 for reformulado”. Ele alegou que a quantidade atual retrata “a realidade da representação distrital do Conselho Participativo. O decreto trouxe a formulação necessária de funcionamento, pois a anterior não coincidia com a realidade dos Conselhos”, avalia.

Paixão afirmou que vai adotar medidas “para que o Conselho atue em parceria com a Prefeitura em ações de políticas públicas”. Para isso, ele iniciou um cronograma de encontros de trabalho nas prefeituras regionais e disse querer participar das reuniões ordinárias de cada conselho participativo local. A iniciativa pretende abrir um canal de diálogo direto com a coordenação geral, para encaminhamento de demandas e solução de pendências.  Ele destacou que a agenda de reuniões regionais também é aberta aos conselheiros.

Como segunda etapa de trabalho, o gestor anunciou a realização de um workshop temático na Prefeitura, no próximo semestre, e confirmou a produção de cartilha do CPM, dirigida aos conselheiros e interessados, além de informativo sobre as principais ações desenvolvidas pelo órgão.

Sobre o requerimento do Ministério Público Estadual, citando supostas irregularidades na última eleição do Conselho Participativo, o coordenador se limitou a comentar que “alguns acontecimentos isolados estão sendo apurados, tanto pelo Ministério Público, quanto internamente pela Prefeitura. Todas as informações estão sendo prestadas e a administração municipal é a maior interessada nesta apuração”, justifica.

Orlando Paixão, novo coordenador do Conselho Participativo Municipal (Secretaria Especial de Relações Sociais)

FALA, CONSELHEIRO!

Para saber a opinião dos conselheiros participativos sobre a substituição do coordenador geral do CPM e a avaliação dos primeiros meses do mandato 2018/2019, o 32xSP conversou com três representantes de prefeituras regionais.

Carolina Borges, 35, analista de sistemas desempregada – PR Vila Mariana

Moradora da Saúde, está no primeiro mandato. Sempre participou das reuniões, como munícipe, e diz sentir falta de formação técnica como conselheira. “Tivemos uma promessa nessa linha, na cerimônia de posse, mas acho que não houve interesse e nada foi feito. Isso enfraquece o conselho”. Ela afirma que nas atas das reuniões sempre insere a informação de falta de verba para determinadas ações da prefeitura regional.

“Não entendo como não tem dinheiro pra zeladoria, mas tem pra asfalto”, reclama. Sobre a mudança no comando do CPM, a analista diz esperar que o coordenador “faça reuniões com os conselheiros e nos ajude a melhorar tecnicamente, pois faltam as ferramentas para a nossa atuação. Fomos eleitos por vizinhos, conhecidos, eles trazem as demandas, a gente repassa os pedidos e nada acontece”.

A conselheira diz que participa de mutirões de limpeza em praças e ruas de sua região. “Ficamos cansados de vermos as crianças brincarem no lixo, então a gente vai lá e limpa”, desabafa.

Jesus dos Santos, 33, designer e gestor cultural – PR Vila Maria/Vila Guilherme

Residente no Jardim Brasil, ele fala que, mais importante do que a mudança do titular da coordenação, é a volta do Conselho de Planejamento e Orçamento Participativo (CPOP) e das funções deliberativas para os conselhos participativos.

Santos afirma que praticamente “não houve atuação da antiga coordenação do CPM na prefeitura regional”, mas revela que já conversou, por telefone, com o novo coordenador e percebeu predisposição “pra fazer alguma coisa”.

Ele destaca que o trabalho do conselheiro participativo é voluntário, sem qualquer apoio oficial para as atividades. “Não temos nem mesmo um bilhete único pra deslocamento. Devemos repensar essas questões, que inibem a participação das pessoas no processo”, diz.

Segundo ele, as pessoas chegam sem capacitação e desconhecem as competências da função. “Há um desestímulo, descrédito com a estrutura e alguns abandonam o Conselho”, diz.

VEJA TAMBÉM
Conselheiros participativos se dizem desrespeitados por prefeito regional
Eleitores reclamam de desorganização em eleição para conselheiros participativos

Teddy Espinoza, 59, engenheiro – PR Santana/Tucuruvi

Morador do Jardim São Paulo, é boliviano naturalizado brasileiro e está no segundo mandato. Ele afirma ser favorável à redução no número de conselheiros.

“Hoje, somos oito pessoas realmente dispostas a fazer alguma coisa pela comunidade, enquanto antes a maioria não aparecia nas reuniões”. Por outro lado, Espinoza opina que o lado negativo, na atual administração, foi a extinção do CPOP.

“Nós tínhamos ideia clara do orçamento da prefeitura regional. Agora, fica a pergunta: o que está sendo feito com a verba do município?” O engenheiro comenta que antes era possível acompanhar a destinação dos recursos, as obras e serviços priorizados. Isso acabou. Ele garante que a prefeita regional participa das reuniões do conselho.

“Ela sempre nos diz que não há verba para obras, apenas para zeladoria”, lamenta. Ao novo coordenador, o conselheiro sugere: “Visite o conselho de cada prefeitura, no mínimo uma vez por mês, ou então em uma reunião geral. Os problemas das regiões próximas da cidade são muito semelhantes”, lembra.

Pesquisa mostra por que conselheiros participativos abandonam o cargo