Prefeitura de SP tem um subprefeito trocado a cada 40 dias

Categorias + Notícias, Participação Social, TemasTags ,

Desde janeiro de 2017, 15 subprefeitos foram exonerados ou demitidos pelo ex-prefeito João Doria e pelo atual, Bruno Covas, ambos do PSDB

Benedito Pereira deixou o cargo de subprefeito de Sapopemba em maio de 2018 (Vagner de Alencar/32xSP)

De acordo com levantamento enviado ao 32xSP pela Secretaria Municipal das Subprefeituras (SMSUB), em um ano e oito meses do governo Doria-Covas, 15 subprefeitos foram exonerados ou demitidos. O que leva a média de uma saída a cada 40 dias.

Em maio deste ano, já durante a atual gestão do prefeito Bruno Covas (PSDB), a dança das cadeiras dos subprefeitos incluiu Roberto Arantes, que administrava Santo Amaro; Benedito Pereira, de Sapopemba; e Paulo Victor Sapienza, do Butantã.

No fim de junho, a então subprefeita da Penha, Fernanda Maria de Lima Galdino foi demitida. No mês seguinte, mais gestores locais perderam seus cargos: Jacinto Reyes (Itaquera) e Heitor Sertão (Campo Limpo).

O governo municipal estabelece a função de subprefeito como cargo de confiança. Como não há necessidade de concurso público, a escolha fica sobre responsabilidade da prefeitura do município.

Segundo a Secretaria das Subprefeituras, cabe à gestão decidir quais os critérios para a escolha, e quando há dispensa não há obrigação em informar o motivo.

O modo fechado como é feita a nomeação dos administradores locais colabora para a sensação de falta de clareza. Prova disso, 85% dos paulistanos acham a administração pouco ou nada transparente, segundo a pesquisa ‘Transparência e Participação na Cidade’, divulgada neste mês pela Rede Nossa São Paulo em parceria com Ibope.

LEIA MAIS
Em 11 meses, gestão Doria demite quinto prefeito regional
Reclamações sobre subprefeitura do Butantã aumentaram 34% em 2017

RELAÇÃO COM O BAIRRO

Para a cabeleireira Roseli Gomes, 48, moradora do Parque São Rafael, a Prefeitura deveria eleger subprefeitos que vivam nas regiões administradas. “Um morador do bairro lutaria pelo lugar onde mora e saberia melhor dos problemas da vizinhança, o que realmente precisamos”.

A proximidade aos moradores facilitaria outro aspecto necessário à política: a comunicação. “Alguém que todos conhecem na vila é mais fácil de encontrar. A gente teria o direito de cobrar as coisas diretamente dele”, diz o aposentado Halid Drages, 64, morador há 20 anos do Jardim Colonial.

“Desde quando vim pra cá, nunca soube quem é o subprefeito. Entra um e tira esse daqui. É sempre a mesma coisa”, comenta o aposentado sobre a troca de nomes pelas gestões municipais.

Mudanças que acontecem desde 2002, quando as sedes administrativas foram instituídas.

VOTO DIRETO

Eleições para subprefeito poderiam ser a chance de aproximar os moradores das decisões administrativas, porém, é o prefeito da cidade de São Paulo quem decide cada um dos 32 gestores locais da capital paulista.

No entanto, oito de cada dez paulistanos são favoráveis à votação popular para eleger esses profissionais, ainda conforme a pesquisa ‘Transparência e Participação na Cidade’.

VEJA TAMBÉM
Em menos de 6 meses da gestão Doria, Parelheiros troca de prefeito regional

“Uma política mais próxima às pessoas pode interessar”, reforça o estudante Matheus Xavier, 17, morador de São Mateus, na zona leste. 

“Nós estamos saturados com a política. No dia a dia ninguém discute. Só reclamamos da corrupção e acabamos esquecendo que é isso que molda a nossa sociedade”, completa ele, que este ano votará pela primeira vez.

PROJETO

Há um projeto em tramitação na Câmara Municipal de São Paulo para que a população eleja os subprefeitos. Os três nomes mais votados em cada regional, conforme a proposta parlamentar 61, de 2015, seguiriam para o prefeito local. O chefe do executivo tomaria a decisão final.

Ainda sem meios diretos para escolher quem administra mais de perto o lugar onde mora, a cabeleireira Roseli não desanima.

“Muda tanto [os subprefeitos] que eu nem sei, fica uma bagunça que você acaba se perdendo no meio do caminho. Mesmo assim, o voto é a arma que temos.”

Quanto ganha um prefeito regional de SP?