Moradores de Marsilac cobram ações da subprefeitura de Parelheiros

20/09/2018 15:50 | Atualizado: 27/09/2018 12:19
Reportar erro Categorias _01_home-posicao-04, Parelheiros, Zona SulTags , ,

Ruas de terra, córrego sujo e esgoto a céu aberto são reclamações antigas dos moradores dos bairros Jardim Embura e Jardim Novo Parelheiros

Marsilac é o “último distrito de São Paulo”, localizado na subprefeitura de Parelheiros, extremo sul da cidade (Cesar Ogata/SECOM)

Onze quilômetros separam a sede da subprefeitura de Parelheiros, no Jardim Alamos, distrito de Parelheiros, da rua Catarina Guilger Reimberg, no Jardim Embura, distrito de Marsilac, no extremo sul de São Paulo. De carro, o trajeto pode ser feito em cerca de 20 minutos; de ônibus, pode chegar a 50.

Os moradores da rua reclamam do esgoto a céu aberto formado no local. Segundo eles, diversas reclamações foram feitas na subprefeitura local, porém nenhuma demanda foi atendida até o momento.

Moradora do Embura desde que nasceu, a assistente administrativa Zabelly Miguel Rodrigues, 38, coleciona fotos da água suja acumulada entre a rua e a sarjeta. “Já foram feitas várias reclamações”, enfatiza.

“Sempre que pergunto (na subprefeitura), dizem está em análise ou não tem uma resposta”, prossegue Zabelly.

Em nota, a Secretaria Municipal das Subprefeituras afirma que problemas na rede de esgoto são de responsabilidade da Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo).

“Já foi passado para a Sabesp também por alguns moradores. Não tenho resposta sobre a solução. Na próxima reunião do Conselho de Segurança (Conseg) que o pessoal da Sabesp for, vou tentar conversar com eles”, afirma.

Esgoto a céu aberto em Marsilac (Reprodução)

Zabelly ri ao dizer que os problemas no esgoto existem “desde que se entende por gente”. Realmente o problema é antigo.

De acordo com o Mapa da Desigualdade da Primeira Infância 2018, da Rede Nossa São Paulo, apenas 36,75% dos domicílios de Parelheiros têm acesso à rede de esgoto. Em Marsilac, o número é ainda menor: 0,81%.

LEIA MAIS
– Quase 70% das casas não têm rede de esgoto em Parelheiros
– Marsilac lidera número de UBSs em SP, mas faltam hospitais

Nas casas sem acesso à rede de esgoto, a solução é o uso de fossas sépticas. Segundo Zabelly, a água que se acumula na rua vem das pias de cozinhas, tanques e também dos banheiros. O cheiro forte incomoda a todos.

CÓRREGO LIMPO OU SUJO

Outro impasse envolvendo subprefeitura e os moradores de Marsilac envolve o córrego que passa pelo Jardim Novo Parelheiros, na Estrada da Colônia. A administração regional garante ter realizado limpeza em junho deste ano.

“A subprefeitura de Parelheiros informa que realizou limpeza manual do córrego. A limpeza é programada periodicamente e intensificada nos períodos de chuva, mas pode ser agendada perante solicitação do munícipe.”

Os moradores, porém, afirmam que a limpeza não foi feita e continuam aguardando uma solução para o problema.

RUAS DE TERRA

Cenário com ruas de terra é comum nos bairros de Marsilac, extremo sul de São Paulo (Cesar Ogata/SECOM)

Caminhar por ruas de terra em Marsilac é algo comum. Os moradores das estradas do Caibro, Estrada da Lagoa e outras vias do local reclamam que não há colocação de brita por parte da subprefeitura.

No Facebook, o administrador da página Marsilac em Foco, Mauro Malafaia, costuma gravar vídeos nas ruas. “É no conta-gota (que colocam as britas), pedacinho em pedacinho”, explica, cobrando ações mais efetivas dos administradores locais.

“A subprefeitura de Parelheiros informa que faz serviços diários [de colocação de brita] em toda a regional. Caso algum local necessite, o morador pode solicitar pela central SP156, especificando o local”, diz a Secretaria Municipal das Subprefeituras. A comunicação pode ser feita pelo telefone 156, aplicativo ou pelo site.

No domingo (8), a reportagem do 32xSP circulou por algumas vias, como a Estrada da Lagoa, e não havia brita cobrindo o chão de terra batida.