Mais de 2 milhões de paulistanos ainda moram em favelas

14/11/2018 10:42 | Atualizado: 30/11/2018 15:49
Reportar erro Categorias + Notícias, Campo Limpo, Habitação, Ipiranga, Zona SulTags , , , ,

Com o maior número de favelas do Brasil, cidade de São Paulo reúne 391 mil domicílios em espaços precários, segundo dados da Secretaria de Habitação

Paraisópolis, uma das maiores favela de SP, pertence ao distrito da Vila Andrade, no Campo Limpo (Vagner de Alencar/32xSP)

São Paulo tem o maior número de favelas do Brasil, com 1.715 ocupações cadastradas pela Secretaria Municipal de Habitação (SEHAB). Estima-se que elas comportam 391 mil domicílios e mais de dois milhões de moradores, o equivalente a 11% da população da cidade.

Em todo o país, o número de brasileiros vivendo em habitações irregulares é de 11,4 milhões. Os dados são do censo de 2010 do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

As favelas se caracterizam por espaços habitados precários que surgem de ocupações espontâneas, feitas sem definição prévia de lotes. Essas habitações geralmente possuem redes de infraestrutura insuficientes e elevado grau de precariedade.

Excluem-se, aqui, os “núcleos urbanizados”: favelas que possuem 100% de infraestrutura de água, esgoto, iluminação pública, drenagem e coleta de lixo, viabilizadas através de ações por parte do poder público ou não. A Secretaria de Habitação informa que 425 núcleos estão cadastrados em seu sistema e estima 60,6 mil famílias vivendo nestes locais.

LEIA TAMBÉM
– Em cinco anos, o número de favelas quadruplicou na Vila Guilherme
– Em 2015, caiu pela metade o número de moradias em favelas em São Mateus

RANKING

Paraisópolis, na zona sul de SP, é a oitava maior favela do Brasil (Vagner de Alencar/32xSP)

O estado de São Paulo tem oito das 50 favelas mais populosas do país, segundo o IBGE. No ranking de habitantes, Paraisópolis, na zona sul da cidade de São Paulo, está em oitavo lugar com 42,8 mil moradores. Heliópolis, também na parte sul da capital paulista, é a décima favela mais populosa do Brasil, com 41,1 mil pessoas.

Paraisópolis
População: 42.826 Domicílios: 13.071 Esgoto: presente em 11.612 residências (88,8% do total)

Heliópolis
População: 41.118 Domicílios: 12.105 Esgoto: presente em 11.415 residências (94,3% do total)

Em termos de dimensão, Heliópolis é a maior delas. Em uma área de quase um milhão de metros quadrados, a favela reúne 18 mil imóveis e 3 mil estabelecimentos comerciais, conforme levantamento da Unas (União de Núcleos, Associações dos Moradores de Heliópolis e Região).

SUBPREFEITURAS

Morro dos Macacos, favela na divisa entre Cidade Ademar e Diadema (Kátia Flora/32xSP)

Das cinco subprefeituras com maior número de residências em favelas, três delas estão na zona sul. São elas: Campo Limpo (com 59.483 moradias em favelas), M’Boi Mirim (42.350) e Cidade Ademar (25.468). As outras duas são Sapopemba, na zona leste, com 18.273 residências e Freguesia/Brasilândia, na zona norte, com 24.708.

As subprefeituras da Sé, no centro da cidade, Pinheiros, na zona oeste, e Vila Mariana, na zona sul, possuem, respectivamente, o menor contingente. O número leva sobre o total de domicílios da região. Confira no Mapa da Desigualdade, da Rede Nossa São Paulo, o índice completo.

LEIA MAIS
– Subprefeitura do Ipiranga abriga a maior favela da cidade
– Subprefeitura de Campo Limpo lidera quantidade de favelas em SP

DIFERENÇA ENTRE FAVELA E CORTIÇO

Enquanto as favelas são formadas a partir da ocupação de terrenos públicos ou particulares, os cortiços são assentamentos que se caracterizam como habitações coletivas de aluguel. Frequentemente apresentam infraestrutura precária e instalações sanitárias compartilhadas entre vários cômodos. As maiores concentrações de cortiços se dão nas regiões centrais da cidade. Existem 1.506 cortiços cadastrados pela Secretaria de Habitação apenas nas subprefeituras da Sé e Mooca.

Com informações de Habitasampa.

***

2.000 famílias poderão ser desalojadas de favela na Cidade Ademar