Afinal, a CPTM é uma rede de metrô?

Categorias _01_home-posicao-03, São Paulo, Temas, Transporte públicoTags , ,

Atualmente, são pequenas as diferenças entre os sistemas de metropolitano operados pela CPTM e o Metrô. Confira quais são elas

Trem da série 9000 da CPTM estacionado na estação Luz, da linha 11-Coral (Diogo Moreira/Governo de São Paulo)

Quando o assunto é o sistema metroviário de São Paulo, é comum, na cobertura jornalística da grande mídia, encontrar apenas referências aos 96 km de trilhos operados pela Companhia do Metropolitano de São Paulo (CMSP). Mas e a CPTM? Não é um sistema de metrô?

Sim, os mais de 273 km de trilhos operados pela Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) também podem ser considerados uma rede de metrô: é o que defende o pesquisador Caio César Ortega, da Universidade Federal do ABC e militante do Coletivo Metropolitano de Mobilidade Urbana (COMMU).

LEIA MAIS
70% da população não sabe que transporte público é um direito

“Eu considero que sim, mas existem controvérsias que já deveriam ter sido eliminadas”, ressalta.

Pesquisador Caio César Ortega afirma que CPTM pode ser considerada uma rede de metrô (Arquivo pessoal)

“A CPTM vive numa espécie de limbo institucional, e se o governo afirmar com todas as letras: ‘a CPTM é uma rede de metrô’, ele vai estimular um aumento de pressão por parte da imprensa e da sociedade civil”
Caio César Ortega, militante do Coletivo Metropolitano de Mobilidade Urbana (COMMU)

Surgida em 1992, a partir da incorporação de várias linhas férreas sucateadas e de diferentes empresas, a CPTM opera sete linhas de transportes sobre trilhos. Só na Capital, a estatal opera cerca de 160 km de trilhos.

Atualmente, são pequenas as diferenças entre os sistemas de metropolitano operados pela CPTM e o Metrô.

Se a CPTM atende também a Região Metropolitana, o Metrô possui plano de expansão para o ABC, Taboão da Serra e Guarulhos; se os trens do Metrô circulam no subterrâneo, a CPTM também possui trechos subterrâneos na Linha 11-Coral, e ambas possuem trens andando em superfície.

Para a usuária Karine Batista, 22, moradora de São Mateus, os sistemas são diferentes apenas na qualidade do serviço prestado.

“Para mim são dois sistemas de transporte diferentes, porque o Metrô é bem mais rápido e organizado. Talvez eles sejam muito semelhantes tecnicamente, mas a população os enxerga de forma diferente pela qualidade”
Karine Batista, moradora de São Mateus

Quando comparada aos outros sistemas de metropolitano do país, a CPTM apresenta características de operação iguais ou até superiores. O metrô de Porto Alegre, operado pela Trensurb, possui trens muito semelhantes aos da série 9000 da CPTM (foto).

Trem do Metrô de Porto Alegre, operado pela Trensurb (Trensurb)

Já o metrô da CBTU em Belo Horizonte, assim como o gaúcho, também faz a ligação entre a Capital e as cidades vizinhas na Grande BH. Em ambos os casos, a CPTM os supera em número de linhas (são sete da empresa paulista contra apenas uma da Trensurb e uma da CBTU).

Juntas, CPTM, Metrô e as privadas ViaQuatro e ViaMobilidade operam cerca de 256 km de transporte público sobre trilhos só na Capital, número superior aos sistemas da Cidade do México (200 km) e de Santiago do Chile (120 km), frequentemente apresentados como modelos para São Paulo.

PRECONCEITO

Para Caio, a invisibilização da CPTM também é reflexo do preconceito que a grande mídia usa em sua cobertura sobre as periferias geográficas.

“Existe uma diferença: muitos dos subúrbios atendidos pela CPTM, ricos ou não, carecem do mesmo prestígio e visibilidade das áreas mais badaladas da capital, recebendo uma cobertura bem aquém do ideal por parte da imprensa”
Caio César Ortega, militante do Coletivo Metropolitano de Mobilidade Urbana (COMMU)

Um exemplo deste preconceito pode ser encontrado no caso da Linha 5-Lilás do Metrô, que antes de se expandir até a Chácara Klabin, em 2018, era comumente conhecida como a “linha que não liga nada a lugar nenhum”.

VEJA TAMBÉM
Veja onde tem banheiros e a situação de limpeza nos trens e metrô

O que se esquecia é que a linha já era a segunda mais cheia da cidade, graças a conexão com a Linha 9-Esmeralda da CPTM, em Santo Amaro.

Juntas, as linhas 5, 9 e 4-Amarela formavam a única ligação sobre trilhos entre o centro velho, o centro financeiro da Faria Lima e a região do Capão Redondo.

Terminal de ônibus do Itaim Paulista não saiu do papel