Trânsito de São Paulo mata 474 pessoas em sete meses

19/12/2018 13:06 | Atualizado: 14/01/2019 10:38
Reportar erro Categorias + Notícias, Centro, Lapa, Mobilidade, Mooca, , Temas, Zona Leste, Zona OesteTags

Distritos centrais, como Brás, Pari, Barra Funda e Sé, são os mais perigosos para pedestres e motoristas, mostra Mapa da Desigualdade

Avenida 23 de maio, na capital, uma das mais movimentadas avenidas do município (Wikimedia)

Dois balanços recentes sobre a violência do trânsito na cidade impressionam. A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) informa que o número de mortes causadas por acidentes de trânsito na capital paulista chegou a 474, apenas até julho deste ano. Já o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) registrou 8.744 ocorrências de acidentes e atropelamentos, até novembro.

Nesse mesmo mês, a Rede Nossa São Paulo divulgou o Mapa da Desigualdade 2018, estudo que fez uma radiografia em várias áreas da administração pública e já alertava para o problema da insegurança de pedestres e motoristas na cidade, especialmente nos distritos centrais.

No levantamento, o Brás, na região centro-leste, teve o pior índice de atropelamentos, com 2,81 para cada 100 mil habitantes, seguido do vizinho Pari, com 2,69.

LEIA MAIS
Zona leste ocupa segundo lugar em socorridos por acidentes de trânsito

Entre os distritos mais perigosos, também ficaram a Barra Funda (zona oeste), com 1,29, e a Sé (centro), com 1,16.

No quesito de mortes em acidentes de trânsito, o panorama não é diferente. A Barra Funda atingiu 44,98 óbitos para 100 mil habitantes, o Pari teve 26,89, o Bom Retiro, 26,59, e a Sé, 23,18.

Cortada por vias importantes como a Marginal Tietê e as avenidas Francisco Matarazzo e Marquês de São Vicente, a Barra Funda tem trânsito intenso o dia inteiro. Polo de atração da cidade, a região abriga o Memorial da América Latina e o Parque da Água Branca, além de estações de trem e metrô, terminal rodoviário interestadual, universidade, casas noturnas e shoppings.

A comerciante Silvia Pereira ouve relatos diários sobre acidentes (Sidney Pereira/32xSP)

A comerciante Silvia Pereira, 53, mantém um carro de lanches há 10 anos na rua Adolpho Pinto e afirma ouvir frequentes relatos de clientes sobre acidentes e atropelamentos.

O ponto de comércio dela fica a pouca distância da estação Barra Funda e de um campus universitário, que recebe milhares de estudantes todo dia.

“Na semana passada, falaram do atropelamento de uma senhora com uma criança e de uma batida. Sempre tem gente comentando sobre acidentes. Acho que muitas pessoas atravessam fora da faixa, no meio dos carros”
Silvia Pereira, comerciante

Segundo a comerciante, uma agência local do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) também atende muitos idosos, com mobilidade reduzida, e que se tornam vítimas constantes dos acidentes.

A sete quilômetros dali, o distrito do Brás atingiu o triste recorde de atropelamentos na cidade. São 2,81 acidentes com pedestres por cem mil habitantes.

Consumidores de todo o Brasil circulam na região, o ano todo, e basta caminhar pelas avenidas Rangel Pestana e Celso Garcia para constatar os perigos a que os pedestres são expostos.

As calçadas, em mau estado de conservação, são tomadas por ambulantes que expõem seus produtos e deixam pouco espaço para a circulação. Assim, as pessoas invadem os corredores de ônibus, com alto risco de acidentes.

Na rua Oriente, no Brás, pedestres atravessam em meio aos veículos (Sidney Pereira/32xSP)

No largo da Concórdia e vias do entorno, a situação é a mesma. A dona de casa Joselaine Souza, 31, a cada 15 dias faz compras no Brás “para revender roupas e ajudar no sustento da casa” e diz estar acostumada a andar na “confusão de gente”. Para ela, os acidentes acontecem por distração.

“Eu já tenho as lojas certas pra comprar, mas, quando a calçada fica cheia, com muito marreteiro, as pessoas caminham pela rua e se distraem olhando as vitrines. Então, vem uma freada e alguém vai pro chão. Os motoristas também ficam sem paciência, buzinam, e sempre alguma batida acontece”
Joselaine Souza, dona de casa 

474 MORTES

Sobre o balanço do atendimento de situações de urgência e emergência no trânsito pelo Samu, que chegou a 8.744, até novembro, a Secretaria Municipal da Saúde destaca que “os números apresentados não representam o quantitativo total das ocorrências, já que o atendimento é feito também por outros órgãos e serviços municipais e/ou estaduais”.

O 32xSP enviou à CET perguntas específicas sobre a questão de acidentes e atropelamentos na região central, incluindo eventuais projetos para aumentar a segurança, mas o órgão de trânsito não respondeu nenhuma delas.

Genérica, a nota da CET justifica que “houve queda de 7% nas mortes na capital em 2017, na comparação com 2016. Em 2018, a tendência permanece e a queda de acidentes entre janeiro e julho de 2018 foi de 4,5%. Foram 474 óbitos este ano contra 494 no mesmo período de 2017”.

VEJA TAMBÉM
Moradores das zonas sul e norte gastam 2h05 para se locomover em SP

Segundo a companhia, “a administração municipal tem investido em políticas de conscientização, melhorias na sinalização viária e na prevenção de acidentes, como o Programa Vida Segura, que adota o conceito de Visão Zero, partindo da premissa de que nenhuma morte é aceitável no trânsito”.

A CET alega que “pela primeira vez na história, o índice de óbitos no trânsito está em 6,38 por 100 mil habitantes, alcançado em julho deste ano. Até 2020, a meta determinada pela ONU para a capital paulista, na Década de Ações para a Segurança Global no Trânsito, é de um índice de 6 mortes/100 mil moradores”.

Moradores da zona sul perdem 21 dias por ano no transporte público de SP