Abandono de prédios públicos em Cidade Tiradentes preocupa moradores

10/01/2019 11:21 | Atualizado: 18/01/2019 13:53
Reportar erro Categorias _01_home-posicao-05, Cidade Tiradentes, Lazer, Segurança, Zeladoria, Zona LesteTags , ,

Antiga base da PM e banheiros de um parque municipal estão desativados há 4 anos no extremo leste; depredação e insegurança preocupam quem mora na região

Antonio Soares caminha todos os dias no Parque da Ciência e diz que a estrutura abandonada traz insegurança (Giacomo Vicenzo/32xSP)

Em Cidade Tiradentes, na rua dos têxteis, altura do número 1741, um prédio que abrigava uma base da polícia militar foi desativado em 2014. Desde então, o imóvel segue abandonado. As cores de cobra-coral, que antes identificam o local, foram substituídas por anúncios de comércios, grafites e pichações. As vidraças estão quebradas e alguns acabamentos de metal foram furtados.

No decorrer dos anos, desenhos e placas do que seria a iniciação de um centro cultural, idealizado por moradores, tentaram dar vida útil ao local. Mas com o tempo, o projeto foi descontinuado.

Atualmente, o imóvel, que é de responsabilidade da Companhia Metropolitana de Habitação de São Paulo (Cohab), é usado como abrigo por pessoas em situação de rua na região.

Questionada, a subprefeitura de Cidade Tiradentes informou que fechou uma parceria com a Supervisão da Saúde e firmaram um acordo para destinação do imóvel para a implantação de um Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) infantojuvenil. O centro é destinado a atender crianças e jovens com algum tipo de transtorno mental.

“A previsão de inauguração é em 1º de março de 2019. Essa é uma grande necessidade da região, pois hoje encaminhamos os casos do bairro para Guaianases. Estamos fazendo o orçamento para as reformas e adequações necessárias”, explica Wagner Gonçalves, 58, supervisor técnico de saúde da Secretaria Municipal de Saúde.

Antiga base da PMSP está desativada e atualmente é usada como abrigo por pessoas em situação de rua (Giacomo Vicenzo/32xSP)

VEJA TAMBÉM:
‘O pior momento nas ruas são todos’, diz ex-morador de rua da Cidade Tiradentes

Mesmo com as previsões de reutilização do espaço, há problemas emergenciais, como o lixo que não era retirado há pelo menos um ano da lixeira acoplada ao imóvel.

A reportagem questionou novamente a subprefeitura do bairro sobre o problema. A administração explicou que, devido ao prédio estar desativado, a coleta de lixo não o tinha como ponto de recolhimento, mas que entraria em contato com o responsável pelo contrato da EcoUrbis Ambiental, concessionária responsável pela coleta.

Lixeira de prédio que abrigava antiga base da PM tinha lixo sem recolhimento há pelo menos um ano (Giacomo Vicenzo/32xSP)

No dia seguinte, o lixo foi recolhido e o órgão afirmou que irá incluir o imóvel como um ponto de coleta.

BANHEIROS DESATIVADOS

Banheiros desativados tiveram depredação e furto de equipamentos no Parque da Ciência (Giacomo Vicenzo/32xSP)

Situação parecida está passando o Parque da Ciência, que tem um de seus acessos pela rua dos têxteis. Em 2014, o equipamento teve o contrato com a empresa de vigilância encerrado.

Até a contratação de outra empresa, os banheiros foram depredados por atos de vandalismo, o que forçou sua desativação desde então.

As edificações abandonadas tiveram as torneiras, privadas e até parte do encanamento furtadas. Um vigilante que faz ronda pelo local e preferiu não se identificar, afirma que o banheiro foi lacrado com a ajuda de munícipes que integram o Conselho Gestor do bairro.

Mesmo lacrado com fortes placas de madeira, uma de suas portas continua aberta, o que faz com que o local continue sendo invadido.

LEIA TAMBÉM:
Cidade Tiradentes ganhará câmeras monitoradas ao vivo

“Não sei se há relatos de roubos ou violência no parque, mas aquela estrutura abandonada traz insegurança. Se não aconteceu nada, foi por sorte. O fato é que o parque não tem mais banheiro público”, reclama o corretor de seguros Antonio Carlos Soares, 44, que mora em um prédio a poucos metros do local.

“Os brinquedos também já estão quebrados. O que fazem, de vez em quando, é cortar os matos”, comenta a agente de turismo Vanessa Opazo, 49, que frequenta o parque pela manhã.

RESPOSTA DA SECRETARIA

Em nota, a Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente (SVMA) informou que as edificações do Parque da Ciência já foram vistoriadas e atualmente está sendo realizada a atualização do orçamento.

“Após essa fase, serão dadas as tratativas para a disponibilização de recursos e posterior início das obras”, explica a pasta, sem deixar esclarecimentos sobre o prazo de reativação.

***

Segundo moradores, Cidade Tiradentes não é um ‘bairro-dormitório’