Casas com números iguais confundem entregadores no Itaim Paulista

15/02/2019 13:53 | Atualizado: 01/03/2019 10:39
Reportar erro Categorias + Notícias, Itaim Paulista, Temas, Zona LesteTags

Em bairros da zona leste, algumas ruas possuem dois CEPs há décadas. Segundo subprefeitura, funcionário responsável por regularizar problema está aposentado

Casas com números iguais confunde entregadores no Itaim Paulista
Emerson Cândido em frente a sua casa nº7, que fica ao lado da casa de nº 359, no Itaim Paulista (Danielle Lobato/32xSP)

No Itaim Paulista, extremo leste da capital, receber correspondências, ir à escola ou até pedir aquela pizza no final de semana não têm sido tarefas das mais fáceis. Principalmente, para quem mora na Vila Nova Itaim e na Vila Itaim.

Por lá, muitas ruas possuem dois CEPs ou apresentam numerações duplicadas e desconexas, dificultando o trabalho dos entregadores.

As vias com mais problemas são: Alfredo de Melo, Manuel Martins de Melo, Clemente Martins de Matos e Manuel Duarte Ferro. As duas últimas têm extensão de cerca de 2 km e chegam a “atravessar” a linha 12-Safira da CPTM [Companhia Paulista de Trens Metropolitanos].

LEIA MAIS
Ponte improvisada resiste há 26 anos no Itaim Paulista

As ruas fazem parte tanto da subprefeitura do Itaim Paulista quanto da subprefeitura de São Miguel Paulista.

Moradores relatam que, há pelo menos dez anos, cartas e encomendas precisam ser resgatadas nos Correios. A sede mais próxima fica a 5 km das vilas.

Por conta da duplicação dos números de algumas casas, são os próprios moradores quem indicam aos entregadores a residência exata.

“Na minha rua tem dois números 7. Quando entregam algo que não é daqui, falo para o entregador o local correto”
Emerson Cândido Ribeiro, microempresário

“Para pedir qualquer serviço, preciso descrever a fachada da minha casa. Falo que o número 7 fica ao lado do 359”, exemplifica o morador de 41 anos.

Já a aposentada Isabel Nunes, 64, conta que nem sempre consegue ir até a agência dos Correios e por isso costuma pagar as contas virtualmente.

“Vou mais à agência quando chega carta de outra pessoa aqui. Como meu filho sabe mexer na internet, ele deixa tudo no débito automático”, afirma Isabel.

De acordo com os Correios, a regulamentação das ruas com problemas na numeração precisa ser feita pela subprefeitura. 

Segundo a subprefeitura do Itaim Paulista, o funcionário responsável pelo mapeamento das ruas se aposentou. Para atender à demanda da população, a pasta informa que espera novos servidores “assim que possível”. 

Euclides Mendes, 47, líder comunitário da Vila Nova Itaim, lamenta o descaso da administração local. Ao lado outros moradores, ele mapeou as ruas com problemas e levou à gestão local.

“Tivemos todo o trabalho de andar rua por rua. Fizemos o projeto e apresentamos à subprefeitura, mas só ficou na promessa”
Euclides Mendes, líder comunitário

Casas com números iguais confunde entregadores no Itaim Paulista
Euclides Mendes, líder comunitário, na subprefeitura, apresentando as ruas que estão com problemas  para o ex-prefeito regional José Denycio e José Carlos, chefe de gabinete (Divulgação)

No último dia 10, Mendes afirma ter se encontrado com o então subprefeito José Denycio, para discutir o problema, porém, o funcionário foi exonerado uma semana depois. Agora a cadeira é ocupada por Gilmar Souza Santos. “Desanimado”, Mendes conta que precisa reapresentar o projeto ao novo gestor.

ESCOLA

Ainda na zona leste, a irregularidade nos endereços também afeta os estudantes, que são deslocados a escolas distantes de suas casas por conta do sistema EOL (Escolas On- Line), ferramenta que mapeia e direciona os alunos conforme o endereços das crianças e adolescentes.

VEJA TAMBÉM
Terminal de ônibus do Itaim Paulista não saiu do papel

“É importante que o aluno estude próximo da sua residência, pois melhora o desempenho. Por conta desse problema, muitas pessoas estão sendo afetadas”, conta um diretor de escola pública que prefere não se identificar.

Segundo a Secretaria Municipal de Educação, nessas situações, pais, mães e outros responsáveis são orientados a procurar a DRE (Diretoria Regional  de Educação ) mais próxima para corrigir o erro.

Na zona leste, alunos com deficiência evadem duas vezes mais