Trens da CPTM falharam 23 vezes em 2018, revela companhia ferroviária

01/04/2019 17:58 | Atualizado: 18/04/2019 13:25
Reportar erro Categorias + Notícias, Temas, Transporte públicoTags

Dados da empresa mostram que ocorrências caíram pela metade em três anos. Passageiros reclamam de paralisações quase diárias

Rodrigo Gomes da Silva, 28, mora no Bom Retiro, centro-leste de São Paulo, e trabalha em Itaquera, no extremo leste. Aos sábados, ao voltar do trabalho para casa, já chegou a ficar parado por 20 minutos no trem, entre uma estação e outra. “Estamos aguardando a movimentação do trem à frente”, recebia o comunicado dentro do vagão, enquanto esperava a viagem ser restabelecida.

“Não é sempre que acontece. Acho que umas duas vezes por mês. Os trens são novos, é raro pegar um mais antigo. Nesse dia, eu me arrependi porque eu poderia ter usado o metrô”, diz Silva, que trabalha como vendedor e promotor de eventos.

A média de paralisações nas estações mencionada por Silva é basicamente a mesma registrada em dados fornecidos pela CPTM ao 32xSP.

Em 2018, foram 23, conforme levantamento da companhia — uma a menos do que em 2017. Nos últimos quatro anos, o índice caiu quase pela metade, quando já chegou a ter 40 interrupções em 2015.

LEIA MAIS
Afinal, a CPTM é uma rede de metrô?

Trem da série 9000 da CPTM estacionado na estação Luz, da linha 11-Coral (Diogo Moreira/Governo de São Paulo)

Segundo a CPTM, em dias úteis, quase três milhões de passageiros viajam nas 2.800 viagens programadas nas sete linhas.

Para Janaína Lemos Cardoso, 32, o número oficial de paralisações não corresponde à sua realidade. Moradora de Guaianases, na zona leste, ela usa a linha 11-Coral para chegar ao trabalho, quase sempre atrasada.

“O trem para pelo menos três vezes por semana. Quando está chovendo, como nessa época, aí é todo dia um caos. O que não é pior é que eles sempre colocam trem novo para circular”, salienta.

O mesmo sufoco acontece com a vendedora Luciana Ramos de Oliveira, 32. Apesar de viajar poucas estações para chegar ao trabalho no Tatuapé, zona leste, as paradas são constantes.

Segundo ela, a boa infraestrutura nos veículos é o que minimiza o tempo perdido entre uma estação e outra.

“As paralisações acontecem principalmente na volta, umas 18h30. Boa parte dos trens é nova e com ar-condicionado, então o sofrimento é menor”, comenta a moradora de Pirituba, na zona oeste.

Já a estudante de administração Sara Rodrigues, 28, precisou mudar o horário de saída de casa porque chegava sempre atrasada à faculdade, na Barra Funda.

“Todo dia tem problema, sim; se não é à tarde, é à noite. Eu não tenho outra opção, não sei os motivos que tanto mexem nesses trens, pois prejudica todo mundo”, reclama.

OUTRO LADO

Sobre as ocorrências relatadas pelos entrevistados, a CPTM afirma contabilizar somente as notáveis — caracterizadas pela interrupção de circulação dos trens em algum trecho da linha —, podendo ter acionamento da Operação Paese (ônibus gratuito).

A companhia reforça ainda que a ferrovia é um sistema que opera a céu aberto, com rede aérea de energia com postes, fios e pantógrafos nos trens ligados a essa rede para alimentação as composições. Por isso está sujeita às interferências externas provocadas por fenômenos naturais como inundações na via por excesso de chuva ou descargas elétricas atmosféricas.

VEJA TAMBÉM
4 em cada 10 paulistanas já sofreram assédio no transporte público

Sobre a manutenção das linhas, a empresa explica que elas são programadas e realizadas em horários de menor movimentação de passageiros, aos fins de semana, feriados, madrugadas e fora do horário de pico.  

Minimiza os problemas relatados ao ressaltar que existem também furtos de fios, vandalismo em equipamentos ou sistemas ferroviários, manifestações públicas, queda de árvores e outros fatores.

Por fim, garante estar renovando a frota e que, desde 2016, do lote de 65 novos trens comprados, 58 já entraram em operação.

Morador da zona leste é o que mais sofre com distância até o trabalho