Tapa-buraco lidera pedidos em SP; poda de árvore tem maior nº de queixas

04/04/2019 12:26 | Atualizado: 22/04/2019 2:32
Reportar erro Categorias + Notícias, Penha, São Paulo, Zeladoria, Zona LesteTags , , , ,

Ouvidoria recebeu 1.975 reclamações sobre buracos e 3.420 sobre problemas de poda em 2018. Dados são do Portal da Transparência da Prefeitura de São Paulo

Buracos na rua Jandaia do Sul, na Vila Guilhermina (Eduardo Silva/32xSP)

A cidade de São Paulo possui 17,2 mil km de vias pavimentadas, segundo dados da Secretaria Municipal de Infraestrutura Urbana e Obras. Diariamente, a Central 156 da Prefeitura recebe milhares de solicitações de zeladoria urbana. Boa parte refere-se a pedidos de tapa-buraco e pavimentação.

Tapa-buraco foi a principal solicitação no ano de 2018, sob responsabilidade das subprefeituras. Ao todo, foram 90.658 pedidos feitos. O número representa 12% do total de serviços solicitados no portal SP 156 (telefone, site e aplicativo para celular) ou diretamente na sede das 32 regionais.

Nos anos anteriores, o serviço também se manteve como principal pedido — e com um volume maior: 134.226, em 2017 (18% do total de solicitações), e 97.010, em 2016 (12%).

O portal 156 também registrou, em 2018, 2.328 reclamações de má execução do serviço de tapa-buraco (3,3% dos serviços finalizados).

LEIA TAMBÉM:
O que as pessoas mais pedem ao ligar para o 156 da Prefeitura?

Moradora da Vila Nhocuné, na zona leste, a bancária Adriana Leila, 54, alerta sobre os problemas com buracos presentes na região da subprefeitura da Penha. “Os moradores do bairro deveriam mandar a conta dos danos nos carros”, diz.

Ela conta que seu veículo teve problemas de alinhamento, após passar por um buraco na via, e que “por pouco não quebrou a suspensão”.

“Faz tempo que não saio da Vila Guilhermina com medo de sumir em algum buraco”, ironiza o morador Darcio Herrero, 59. Os buracos a que ele se refere estão na rua Jandaia do Sul, no caminho que faz diariamente enquanto leva sua filha até o Metrô Guilhermina – Esperança, também na zona leste.

“Não cheguei a oficializar a reclamação em razão de duas experiências anteriores de poda de árvore onde a solução não foi muito boa, mas passarei a fazê-lo a partir de agora”, diz.

QUEIXAS

Na zona leste, moradores usam um pneu e pedaços de madeira para alertar pedestres e motoristas sobre buraco na via (Eduardo Silva/32xSP)

Em 2018, a Ouvidoria da Controladoria Geral da Prefeitura de São Paulo recebeu 1.975 queixas sobre buracos e pavimentação na cidade. Naquele ano, a demanda ficou atrás apenas das reclamações de problemas relacionados a poda ou manejo de árvores, com 3.420 queixas.

A Ouvidoria Geral do Município é acionada quando o munícipe não tem resposta ou solução satisfatória para sua solicitação, sente-se mal-atendido ou deseja fazer uma denúncia contra servidores ou órgãos municipais. Em 2017, o órgão recebeu 2.703 queixas sobre buracos e 2.455 sobre árvores.

Em reportagem recentemente publicada pelo 32xSP, com dados obtidos via Lei de Acesso à Informação (LAI), 27 das 32 subprefeituras de São Paulo informam gastar entre R$ 61 mil a R$ 485 mil por mês com serviços técnicos de manejo de árvores (poda e remoção). M’Boi Mirim, Lapa e Vila Mariana têm os maiores custos.

LEIA MAIS:
Subprefeituras de SP gastam R$ 4,6 milhões por mês com podas de árvores

As subprefeituras consultadas reforçaram que o atendimento é imediato em caso de queda, mas moradores das regiões do Aricanduva e Itaim Paulista, na zona leste, afirmam esperar por poda há, pelo menos, cinco anos.

“O caminhão do lixo passa e bate nos galhos. A árvore balança tanto que parece que vai cair. Fora que a raiz pega uma parte entre a guia e o asfalto. A vizinhança não sabe mais para quem recorrer”, lamenta a dona de casa Elaine Conceição, 46, moradora da Fazenda Aricanduva.

Em 2018, a Prefeitura de São Paulo recebeu 51.091 pedidos de poda de árvores em vias públicas, sendo que, até o final do mesmo ano, 31.347 não tinham sido atendidos (61%). Já em 2017 foram 48.465 solicitações feitas por munícipes e 15.357 delas terminaram o ano aguardando atendimento (31%).

PROBLEMAS DE ZELADORIA

Em entrevista exclusiva ao Agora São Pauloo prefeito Bruno Covas reconhece que a zeladoria na cidade não está em um bom nível, mas diz que “vai estar muito melhor até o final da gestão”.

“Em janeiro de 2017, nós tínhamos 567 mil solicitações em geral não atendidas no serviço 156. Em janeiro deste ano, conseguimos baixar para 212 mil pedidos. Tenho certeza que a zeladoria, que ainda não está do nível que gostaríamos, vai estar muito melhor até o final da gestão. Ficamos anos e anos com contrato emergencial de varrição na cidade. Só agora estamos concluindo esta licitação.”

As subprefeituras da cidade realizam semanalmente ações de zeladoria urbana nos distritos da capital paulista, a exemplo da “Operação Tapa-buraco”. As ações podem ser acompanhadas no site de cada subprefeitura ou mesmo na página das regionais no Facebook.

CONFIRA:
Nas periferias de São Paulo, ruas não têm pavimentação há 50 anos

Sob coordenação da Secretaria Municipal das Subprefeituras, uma das principais promessas de gestão na cidade é o Programa Asfalto Novo.

A administração municipal prevê, até o final de 2020, o recapeamento de mais de 400 km de vias na cidade de São Paulo (com prioridade para aquelas com maior circulação de pessoas e automóveis) e investimentos de R$ 550 milhões.

Desde sua implantação, em novembro de 2017, o programa recapeou 157 ruas e avenidas na cidade, totalizando 251,4 quilômetros de área renovada.

***

Entulho e lixo em via pública ou terrenos particulares? Saiba como denunciar