Quem deve tomar a vacina contra a gripe na terceira fase da campanha em SP?

12/05/2020 14:22
Reportar erro Categorias + Notícias, SaúdeTags , ,

Última fase da campanha de vacinação nas UBSs vai até o dia 5 de junho e foi dividida em duas etapas; entre os grupos prioritários estão crianças e gestantes

Santo Amaro é a única região da zona sul a ter pediatra em todas as UBSs
UBS Chácara Santo Antônio, na zona sul de São Paulo (Caroline Pasternack/32xSP)

Iniciada ontem (11) pelo Ministério da Saúde, a terceira e última fase da Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe (Influenza/H1N1) vai até o dia 5 de junho. Desta vez, a campanha será dividida em duas etapas, por grupos prioritários diferentes:

De 11 a 17 de maio:

• Crianças com mais de 6 meses e menos de 6 anos de idade;
• Gestantes;
• Puérperas (mães até o 45º dia após o parto);
• Pessoas com deficiência.

De 18 de maio a 5 de junho:

• Professores das escolas públicas e privadas;
• Pessoas entre 55 e 59 anos de idade.

A divisão visa evitar que os postos de saúde fiquem sobrecarregados e haja risco de grandes aglomerações. Em São Paulo, a vacinação ocorre nas 468 Unidades Básicas de Saúde (UBS) da capital (encontre aqui a unidade mais próxima da sua residência).

LEIA TAMBÉM:
– Mães têm cuidados redobrados com filhos com deficiência durante a pandemia
– Paulistanos avaliam positivamente o papel do SUS durante a pandemia, diz pesquisa

Segundo a Secretaria Municipal da Saúde (SMS), mais de 2,5 milhões de pessoas já foram vacinadas contra a Influenza na capital.

FASES ANTERIORES

Pessoas que fazem parte dos grupos prioritários das fases anteriores da campanha contra a gripe ainda podem buscar uma Unidade Básica de Saúde para receber uma dose, caso ainda não tenham sido imunizados.

Na primeira fase da campanha, foram imunizados idosos e profissionais da área da saúde.

A segunda fase incluiu prioritariamente caminhoneiros, trabalhadores portuários, motoristas de transporte coletivo, funcionários do sistema prisional, população privada de liberdade, povos indígenas e pessoas com doenças crônicas não transmissíveis, comorbidades e outras condições clínicas especiais.

***

São Paulo tem 4 mil óbitos por doenças respiratórias em um mês e meio