Qual é cor da pele dos subprefeitos e subprefeitas de São Paulo

05/03/2021 17:42 | Atualizado: 08/03/2021 17:50
Reportar erro Categorias + Notícias, Centro, Perfil, Temas, Zona Leste, Zona Norte, Zona Oeste, Zona SulTags , ,

Dados obtidos via Lei de Acesso à Informação mostra baixo número de servidores negros; indicação da cor é autodeclarada e facultativa no ato da posse

Dos 32 subprefeitos da capital paulista, três se autodeclaram pretos/pardos. Os nomes são: Gilmar Souza dos Santos (Itaim Paulista, zona leste), Heitor Sertão (Jabaquara, zona sul) e Edson Brasil da Silva (Pirituba/Jaraguá, zona noroeste).

As informações foram obtidas pelo 32xSP via LAI (Lei de Acesso à Informação). Segundo a Prefeitura de São Paulo, o preenchimento da cor do servidor é autodeclarado e facultativo no ato da posse.

A partir da análise dos dados enviados, pode haver (ou não) outros subprefeitos negros, já que nove não preencheram a informação, enquanto 20 servidores se consideram brancos (confira no mapa a autodeclaração dos subprefeitos em cada administração local).

A baixa porcentagem de pessoas negras não se restringe somente aos cargos de subprefeito. 

De acordo com informações oficiais da Cogep (Coordenadoria de Gestão de Pessoas), 29,22% dos servidores ativos da administração pública municipal direta se autodeclaram negros, sendo 20,85% de mulheres e 8,37% de homens. 

Na prática, a cada servidor negro, existem dois funcionários públicos brancos. 

LEIA MAIS
Qual é o orçamento de cada subprefeitura de São Paulo em 2021?
‘Giro pelas 32’ abordou soluções e problemas de todas as subprefeituras

As subprefeituras foram criadas por lei 2002 e prevê que a escolha dos subprefeitos por livre nomeação do prefeito. Atualmente, ocupam os cargos 25 homens e 7 mulheres.

Em 2016, o então prefeito Fernando Haddad encaminhou à Câmara Municipal um projeto de lei que propunha alterar a forma de escolha dos subprefeitos da cidade. O objetivo era criar uma votação direta e não obrigatória das pessoas que deveriam ocupar o principal cargo das administrações regionais. 

Na época, a justificativa do projeto previa um modelo de governança a fim de aumentar a participação popular e a representatividade dos cidadãos no comando das subprefeituras, além de descentralizar as ações municipais. 

CIDADE NEGRA

Segundo os dados do Censo Demográfico de 2010 (IBGE), a população da cidade de São Paulo era de 11.253.503 habitantes. Desses, aproximadamente 37% (4.164.504 habitantes) pertenciam à população autodeclarada negra (pretos e pardos), sendo 60,6% brancos e 2,2% de amarelos.

De acordo com o relatório Igualdade Racial em São Paulo: Avanços e Desafios, divulgado em 2016 pela Prefeitura de São Paulo, a população negra concentra-se nas periferias da cidade em locais com poucas oportunidades de emprego. Em locais como Parelheiros (extremo leste), a população negra chega a 57,1%, enquanto em Pinheiros (zona oeste) é de apenas 7,3%.

VEJA TAMBÉM
Estudo mostra percepção do paulistano em relação à discriminação racial
SP: 47% dizem que eleição de mulheres, negras e trans melhora qualidade política

Numa análise dos dados municipais, nenhuma das quatro maiores subprefeituras da capital paulista tem um representante negro no maior cargo.

Parelheiros, com 57,1% de pessoas, e M’Boi Mirim, com 56%, respectivamente, não sabem as cores do subprefeito. Enquanto isso, Cidade Tiradentes, com 55,4%, e Guaianases, 54,6%, a terceira e a quarta maior subprefeitura negra, contam com pessoas negras no comando local.

{"autoplay":"true","autoplay_speed":3000,"speed":300,"arrows":"true","dots":"true"}


QUANTO MAIOR O CARGO, MENOS SERVIDORES NEGROS

De acordo com Eloy Oliveira, diretor executivo do Instituto República.org, entidade dedicada a pensar a gestão de pessoas no serviço público do país, uma dos principais entraves no debate racial brasileiro é a falta de números.

“Não há dados. Temos coisas defasadas, de 2015, por exemplo. Nas capitais, a única prefeitura do Brasil a pedir obrigatoriedade destas informações é São Paulo, há dois anos. Nenhuma outra está fazendo”
Eloy Oliveira, diretor executivo do Instituto República.org

O especialista diz que, apesar de ser 54% da população brasileira, os negros não ocupam a mesma porcentagem nas esferas públicas, nos níveis federais, estaduais e municipais. 

Em alguns casos, em que o número chega perto dos 50%, ao analisar carreiras específicas, as pessoas brancas ocupam os cargos de liderança, onde a remuneração também é maior, enquanto os negros ficam em carreiras menor remuneração, como enfermagem e profissões ligadas ao ensino básico, como professores. 

O exemplo pode ser visto na própria capital paulista. Em uma análise por setores, realizada pelo Instituto República.org com dados de agosto passado, a participação dos servidores negros é maior no quadro de funcionários da Guarda Civil Metropolitana (36,5% do total), nos cargos de direção e assessoramento intermediário (32,8%), nos cargos de gestão governamental (31,5%) e na administração (30%).

O levantamento destaca que a maior parte dos servidores negros está alocada no setor de educação e saúde — que são aqueles que realmente reúnem o maior número de funcionários no setor municipal. Eles ocupavam cerca de 28,7% do quadro do primeiro setor e 24% do segundo.

Na Procuradoria-Geral do Município, por exemplo, os servidores negros representam apenas 7,8% do total. Entre os 31 subprefeitos da época, apenas um era negro. Nas chefias de gabinete, eram cinco entre 51.

Nos cargos de direção e assessoramento superior, os DAS (Direção e Assessoramento Superior), os servidores públicos negros da Prefeitura de São Paulo representam 21,3% do total, mas o percentual varia conforme a hierarquia: nos nível mais baixo do cargo eles são 27,8%, já no DAS-15 são apenas 15%. No quadro de DAS-16 não há negros.

Segundo Oliveira, há uma discrepância estrutural. “Quanto mais alto o DAS, mais importante é o cargo de direção, feito por indicação. Quanto mais alto, menos negros. Porque não indicam os negros?”, questiona. 

A publicação “Onde estão os negros no serviço público?”, divulgada em novembro passado, mostrou que para cada dois servidores públicos brancos e amarelos com ensino superior no Governo Federal, existe aproximadamente um funcionário negro ou indígena.

Quando se trata de carreiras de gestão, como analista de planejamento e orçamento, auditor de finanças e controle, especialista em política pública e gestão governamental ou analista de comércio exterior, os brancos são 73%, enquanto os negros são apenas 23,72%.

CONFIRA
Para 77% dos pretos e pardos de SP, preconceito se mantém igual há 10 anos
Para maioria dos paulistanos, negros têm menos chances de emprego

Já nos chamados cargos comissionados, ocupados por qualquer pessoa que não faça parte do serviço público, sem a necessidade de prévia aprovação em concurso público, os funcionários públicos negros são 29,6% do total, enquanto os brancos são 66%. A disparidade é nítida conforme a hierarquia desses cargos cresce: se no DAS-4 os negros são 27,28%, no DAS-6, mais alto, são apenas 15%.

Ainda de acordo com Oliveira, subprefeitos que representassem a população local teriam mais sucesso em suas políticas, por conta de suas experiências pessoais como munícipe. “Posso afirmar que a maior porcentagem de negros aumentaria a criatividade e a empatia”, indica. 

Procurada para responder questionamentos sobre a porcentagem dos negros entre os subprefeitos, a Prefeitura de São Paulo não retornou até o fechamento do texto, além de negar entrevistas com os servidores negros.