Alunos reclamam do preparo nas escolas públicas para os vestibulares mais concorridos

Júlia Araújo, 17, mora no Capão Redondo, zona sul da capital. Terminou o Ensino Médio em escola pública ano passado e foi aprovada em estudos de gênero e diversidade na UFBA (Universidade Federal da Bahia), mas não teve condições de se mudar para Salvador (BA). Começou a se preparar para o vestibular montando um grupo de estudos com os amigos e depois estudando no cursinho popular Carolina de Jesus. Atualmente, ela estuda sozinha para tentar entrar em uma universidade pública mais perto de casa.

C. do Socorro exige metas que incluam regularização de moradias e nova regional

Na tarde de ontem (8) aconteceram 32 audiências regionais para que a população pudesse propor ideias para o Plano de Metas (2017-2020). Na Capela do Socorro, as questões mais abordadas entre os que falaram ao microfone foram a regularização fundiária de diversos bairros do Grajaú, além da criação de uma prefeitura regional somente para este distrito.

Doria não prioriza construção de novos equipamentos públicos no Plano de Metas

O prefeito João Doria (PSDB) apresentou na tarde da última quinta-feira (30) a primeira versão do Plano de Metas de sua gestão (2017-2020). O documento chama a atenção por ter apenas 50 metas, número inferior ao das administrações anteriores, não destacar a construção de equipamentos públicos e não apontar o local da implantação de alguns…

Rodeada de represas, Capela do Socorro é a segunda regional mais populosa de SP

Localizada na zona sul de São Paulo, Capela do Socorro é a segunda prefeitura regional mais populosa da capital. A região ocupa uma superfície de 134 km², abriga parte das represas Guarapiranga e Billings e cerca de 90% do território está em área de proteção aos mananciais.

Prefeito regional quer transformar Parelheiros em um grande polo de turismo

Biskamp acredita que fomentar o turismo é uma forma de gerar empregos de qualidade na região.

Plataforma registra mais de 720 ocupações irregulares na capital paulista

Uma das maiores ocupações da capital, a Água Espraiada possui dezenas de favelas e passa por diferentes distritos, como Itaim Bibi, na zona oeste, Campo Belo e Jabaquara, na zona sul. Segundo Karina Leitão, professora da FAU USP, e uma das coordenadoras do Observatório de Remoções, as ocupações da Água Espraiada estão em uma área de 9 km de extensão. Além disso, calcula-se que haja na região, 8.500 famílias sob ameaça de remoção.

Falta de luz já faz parte da rotina de quem vive na Ilha do Bororé

Era 31 de dezembro, último dia de 2016, quando o Grajaú ficou sem energia elétrica no período da tarde e a escuridão tomou conta de várias das festas de Réveillon. A situação só se normalizou por volta das 3h da manhã do primeiro dia de 2017, exceto na Ilha Bororé, um dos bairros do distrito da zona sul. Por lá, a luz só voltou no fim da noite do dia 2/1. O fato não foi uma exclusividade. Moradores reclamam há anos da constante falta de energia elétrica na região.

“O imigrante tem as marcas das saudades”, diz conselheiro boliviano

Era tarde e uma forte chuva de verão caía sobre São Paulo, quando Samuel Dany Añez, 37, recebeu o 32xSP em seu local de trabalho para um bate-papo sobre imigração e sobre a própria trajetória de vida. Há oito anos, o boliviano reside na capital paulista e há três é conselheiro participativo do Jabaquara, na zona sul da cidade.

Agricultores das periferias tentam romper a ideia de que alimento orgânico é caro

“Todo mundo merece comer alimento sem veneno. Só porque está na zona leste, periferia, tem que comer o que é posto?”, diz o permacultor Marcus Vinicius de Moraes, 32, quando o assunto é o consumo de produtos cultivados sem agrotóxico nas periferias de São Paulo. Morador do Itaim Paulista, Moraes faz parte do Quebrada Sustentável, projeto ambiental socioeducativo, e realiza atividades que propagam a segurança alimentar, direito ao acesso permanente a alimentos de qualidade.