Pesquisa indica que 16% dos paulistanos gastam mais de 4h no trânsito diariamente

Ainda estava escuro quando a equipe do 32xSP chegou ao ponto onde a recepcionista Aline Alves, 21, costuma pegar ônibus às 6 horas da manhã para ir ao trabalho. A intenção? Acompanhá-la no trajeto. Moradora do Grajaú, zona sul, praticamente desde criança, a recepcionista trabalha há dois anos em um prédio localizado na Vila Olímpia.…

Parque do Grajaú dá sinais de abandono após corte no orçamento

“Nunca vi ninguém limpando nada lá, nem varrendo, nem nada. Inclusive, está muito sujo, muito lixo”, comenta a comerciante Maria da Glória Viana, 61, a respeito da manutenção do Parque Linear Cantinho do Céu, localizado no distrito do Grajaú, zona sul, às margens da represa Billings. Maria da Glória mora na região há 25 anos e frequenta o parque desde a inauguração, em 2009. Ela faz caminhada diariamente e tem observado o quanto o lugar está sujo.

Avenidas com mais acidentes de trânsito estão na zona sul e leste

“Muitos motoristas não respeitam os sinais. É horrível. Principalmente fim de semana, que têm muitos carros e muitos pedestres”, diz a desempregada e moradora do Grajaú Ingrid de Macedo, 20, ao falar da situação da avenida Dona Belmira Marin, localizada no distrito da subprefeitura Capela do Socorro, zona sul. A via está entre as 10 mais perigosas numa relação de 50 avenidas da capital de São Paulo presente no relatório de acidentes de trânsito fatais de 2015 divulgado pela CET (Companhia de Engenharia de Tráfego).

Ciclista assaltada em agosto alerta que falta policiamento na av. Sumaré

A relações públicas Thaís Gramani Serra, 27, foi agredida e assaltada no dia 10 de agosto, quando voltava do trabalho pela ciclovia da avenida Sumaré, zona oeste de São Paulo. Era por volta das 20h quando passou por um pedestre que a atingiu com uma pancada usando uma arma. Desmaiada e levada para o hospital,…

Parelheiros, Perus e Itaim Pta. têm altos índices de mulheres internadas por agressão

Os números baixos não significam que em regiões de classe média e alta as mulheres estejam distantes de sofrer violência.

Com poços contaminados, bairros do Grajaú seguem sem saneamento básico

“É uma água assim, pesada. Não tem gosto, nem cheiro, mas é pesada. Aí a gente cismou e parou de tomar”, diz a dona de casa Roselita Silva, 48, que mora na Ilha do Bororé, bairro do distrito do Grajaú, zona sul. A região localizada às margens da represa Billings, em uma área de proteção ambiental, a APA Bororé Colônia, não possui abastecimento público de água nem coleta de esgoto. Os moradores dependem de fossas e poços. Todavia, alguns poços estão contaminados, como o da casa de Roselita.

Grajaú possui campos ao redor de córregos e com poças de água

Um campo de terra alaranjada ao lado de um pequeno córrego é ocupado por rapazes aos fins de semana. O lugar por onde a bola corre entre as chuteiras se chama Buraco do Sapo e é o único espaço esportivo e de lazer do Jardim Gaivotas, bairro do distrito Grajaú, zona sul. O campo foi construído no ano 2000 pelos próprios moradores.